Economia

Futuro da TAP deverá ser hoje decidido

Um acordo permitiria evitar a nacionalização.

As negociações entre o Governo e os accionistas privados estão num impasse desde ontem à noite. O Estado quer comprar a parte de David Neeleman por 40 milhões de euros, mas o empresário só aceita sair por mais 15.

É esta diferença que está a atrasar o acordo que permitiria ao Estado ficar com o controlo da empresa.

Se tudo falhar, o Governo avança para a nacionalização.

40 milhões de euros pela posição de Neeleman

O Estado está a tentar comprar a posição de David Neeleman na TAP, que detém 22,5% do capital da companhia aérea, e está disposto a dar 40 milhões de euros. No entanto, o empresário americano só aceita sair da companhia por 55 milhões de euros e a diferença de apenas 15 milhões está a empatar o acordo.

É aqui que entra o acionista português Humberto Pedrosa, que detém os mesmos 22,5% que David Neeleman. O empresário pode reforçar a posição na companhia ao comprar uma parte da posição de Neeleman em conjunto com o Estado.

A SIC sabe que para fazer avançar o negócio Humberto Pedrosa tem disponíveis os 15 milhões de euros que faltam para chegar ao valor exigido pelo americano, embora exija condições que garantam que não perde capital no futuro.

Se a solução avançar, o Estado - que agora tem 50% do capital da TAP - pode reforçar a posição para cerca de 70%, passando a companhia a ser maioritariamente pública, sem ser nacionalizada.