Economia

TAP. Quão dolorosa vai ser a reestruturação? O ministro responde

Entrevista na íntegra

TAP. Quão dolorosa vai ser a reestruturação? O ministro responde

Entrevista ao ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos.

"É evidente que uma intervenção deste montante implica - implicaria sempre - que nós fizéssemos um ajustamento na empresa", começou por dizer Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas, numa entrevista no Jornal da Noite da SIC.

Admitiu, de seguida, que a reestruturação vai ter consequências, nomeadamente nas rotas, no número de aviões e nos custos com o pessoal, tal como já tinha dito o primeiro-ministro, António Costa.

Para quando o plano?

Segundo Pedro Nuno Santos, o Governo tem seis meses para definir o plano de reestruturação para a companhia aérea nacional. Porém, quer tentar fazê-lo num prazo mais reduzido, admitindo sempre que irá demorar "alguns meses".

Repete-se a história do Novo Banco?

O ministro voltou a dizer que compreende a perplexidade dos portugueses, tal como já tinha feito na conferência de imprensa de ontem, onde foi anunciada a compra de mais 22,5% do capital da TAP pelo Estado.

"Compreendemos a inquietação, a insegurança dos portugueses. Temos perfeita consciência e respeito relativamente às dúvidas que existem", esclareu Pedro Nuno Santos.

Sem tocar no caso do Novo Banco, limitou-se a explicar que o Governo está a operar "num contexto de profunda incerteza" e que ninguém sabe se as previsões vão falhar ou não. Só tem certeza de uma coisa: a TAP vai ter uma dimensão menor, mas o importante é que seja viável.

À procura de um administrador

O Governo vai avançar com a contratação de uma empresa especilizada em procurar, no mercado internacional, gestores qualificados, experientes e com competência na área da aviação. Essa contratação pode ser cara?

"Mais caro é nós termos gestores sem competências para gerir a empresa", atirou Pedro Nuno Santos, referindo que o Governo não vai nomear comissários políticos para a gestão da TAP que, na sua perspetiva, necessita de pessoas altamente qualificadas.

Antonoaldo Neves cessou funções na companhia, mas ainda não se sabe quem vai liderar a solução de transição.

TAP pode voltar a ser vendida?

A porta não deve ser fechada, disse o ministro, acrescentando que "o mercado da aviação é altamente desafiante" e que é "muito difícil sobreviver neste mundo global da aviação sozinha".