Economia

Espanhola Nadia Calviño com apoio de França na corrida à presidência do Eurogrupo

Virginia Mayo/ AP

Portugal também anunciou que apoia acandidata socialista espanhola, que parece ganhar o estatuto de favorita.

A França apoia a candidata espanhola Nadia Calviño para a presidência do Eurogrupo, anunciou hoje o ministro das Finanças, Bruno Le Maire, a poucas horas da eleição para a sucessão de Mário Centeno.

"Partilhamos com Espanha a mesma vontade de uma integração mais forte da zona euro", afirmou Le Maire para justificar o voto na candidata socialista espanhola, que conta também com o apoio de Portugal.


Hoje à tarde, os ministros das Finanças da zona euro vão hoje eleger o novo presidente do Eurogrupo, numa reunião por videoconferência que assinala a despedida europeia de Mário Centeno e a estreia do ministro João Leão.


Depois de Centeno ter anunciado, em junho, a sua saída do Governo e, consequentemente, abdicado de concorrer a um segundo mandato, três ministros avançaram com candidaturas à presidência do fórum informal de ministros das Finanças da zona euro: a espanhola Nadia Calviño, o irlandês Paschal Donohoe e o luxemburguês Pierre Gramegna.

Nadia Calviño, candidata favorita à liderança do Eurogrupo


Portugal já anunciou, sem surpresa, que o seu voto, que já será depositado por João Leão - em funções desde 15 de junho -, irá para a candidata socialista espanhola, que parece ganhar o estatuto de favorita.

"Apoiaremos a candidatura de Nadia Calviño à presidência do Eurogrupo, desde logo pelas suas qualidades pessoais, pela forte experiência que tem em matéria europeia e também pela convergência de pontos de vista que temos mantido sobre o que deve ser o futuro da União Económica e Monetária", afirmou na segunda-feira o primeiro-ministro, António Costa, que lembrou também a "boa tradição" de Portugal e Espanha "de apoio recíproco às candidaturas internacionais".


Os três candidatos farão curtas intervenções na reunião de hoje, celebrada ainda à distância devido às restrições relacionadas com a pandemia de covid-10, após o que terá início a votação -- secreta e eletrónica --, vencendo aquele que obtiver maioria simples, ou seja, os votos de pelo menos 10 dos 19 países da zona euro, pelo que poderá haver necessidade de uma segunda volta para 'afastar' uma das três candidaturas.


O novo presidente, que participará já na conferência de imprensa no final da videoconferência, assumirá funções na próxima segunda-feira, 13 de julho, dado o mandato de Centeno expirar no dia 12, e liderará o Eurogrupo nos próximos dois anos e meio, até final de 2022.

Acompanhe as notícias do dia em https://sicnoticias.pt