Economia

Ministro sobre contrapartidas dos aviões C-295: "O que nós fizemos foi correr atrás do prejuízo"  

Ana Geraldes

Ana Geraldes

Jornalista

João Gomes Cravinho satisfeito com o relatório do Tribunal de Contas sobre negócio de aviões C-295 da Força Aérea.

O ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, nem hesita: "a história das contrapartidas não é uma história feliz para o Estado português" na aquisição de material militar.

No caso mais recentemente conhecido - dos aviões C-295 da Força Aérea, cuja renegociação foi feita em 2012 por Álvaro Santos Pereira e agora apontada como danosa em mais de 9 milhões de euros - o ministro da Defesa diz esperar que o processo agora siga "o seu caminho", depois do que considera ter sido um "bom trabalho" do Tribunal de Contas.


O relatório, agora conhecido, refere também o atual ministro que em 2018 mexeu nos contratos. Gomes Cravinho responde "o que fizemos foi, essencialmente, correr atrás do prejuízo" e acrescenta: "a melhor negociação possível, nas circunstâncias" que diz "não eram favoráveis" por causa do contrato que vinha de 2012.

  • Medo, solidão e falta de afetos: como a pandemia lhes mudou a vida

    Coronavírus

    No Dia Internacional do Idoso, contamos a história de duas pessoas que têm em comum a solidão. A de Zulmira Marques, de 92 anos. Há 6 meses era alegre e passeava com as amigas quase todos os dias. Depois veio a pandemia e ficou “completamente sozinha” durante três meses. Agora não quer sair de casa. Tem vários medos. A outra é a de Maria do Céu. Morreu em junho, aos 87 anos. Os últimos dias de vida foram passados numa cama de hospital. Não pôde despedir-se das duas filhas.

    Rita Rogado