Economia

Portugal coloca 1.750 M€ em dívida a seis e a 12 meses a juros mínimos

Juros a descerem para mínimos de sempre.

Portugal colocou esta quarta-feira 1.750 milhões de euros, igual ao montante máximo anunciado, em Bilhetes do Tesouro (BT) a seis e 12 meses, com os juros a descerem para mínimos de sempre, foi anunciado.

Segundo a página da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) na agência Bloomberg, a 12 meses foram colocados 1.250 milhões de euros em BT à taxa de juro média de -0,497%, mínima de sempre e inferior à registada em 15 de julho, quando foram colocados 1.250 milhões de euros à taxa de juro média de -0,452%.

A seis meses foram colocados hoje 500 milhões de euros em BT à taxa média de -0,520%, mínima de sempre, que compara com a verificada em 15 de julho, quando foram colocados 500 milhões de euros a -0,467%.

A procura atingiu 2.325 milhões de euros para os BT a 12 meses, 1,86 vezes o montante colocado, e 1.178 milhões de euros para os BT a seis meses, 2,36 vezes o montante colocado.

A IGCP tinha anunciado para hoje dois leilões de BT com maturidades em 19 de março de 2021 (seis meses) e em 17 de setembro de (12 meses) num montante indicativo global de entre 1.500 milhões de euros e 1.750 milhões de euros.

Para o diretor de Investimentos do Banco Carregosa, Filipe Silva, estes leilões "voltaram a ser um sucesso".

"Os discursos dos vários banqueiros centrais têm sido claros, as taxas irão manter-se baixas ou negativas por um período longo de tempo para estimular a economia e conseguir que a inflação volte aos 'targets' definidos", refere o responsável, considerando que "a missão não estava fácil antes da covid-19 e que ainda veio a piorar com o abrandamento económico este ano".

Filipe Silva referiu que "as taxas obtidas, acabam por refletir a conjuntura global que se vive, que vai no sentido de beneficiar os emitentes de dívida em detrimento dos investidores, no entanto, sempre com o sentido de que a prazo, a economia irá recuperar".