Economia

China será a única grande economia a crescer este ano

Aly Song

A economia chinesa alcançou uma expansão inesperada de 3,2%, no segundo trimestre do ano.

A China vai ser a única grande economia do mundo a crescer em 2020, um ano marcado pela pandemia da covid-19, estimou esta terça-feira o Fundo Monetário Internacional (FMI) no relatório Global Economic Outlook.

O FMI estimou que a economia chinesa cresça 1,9%, este ano, e 8,2%, em 2021.

Trata-se de uma subida em nove décimas das projeções de crescimento para este ano, destacando a "rápida recuperação" da economia chinesa, no segundo trimestre. A projeção para 2021 manteve-se inalterada.

As perspetivas para a China "são muito melhores" do que para as restantes economias emergentes, acrescentou a agência.

"A atividade normalizou-se mais depressa do que o esperado, depois de quase todo o país ter reaberto em abril", ressaltou.

"O segundo trimestre registou uma surpresa positiva, graças ao forte apoio do Estado e à resistência das exportações", acrescentou.

A China, onde a pandemia do novo coronavírus começou em dezembro passado, foi o primeiro país a tomar medidas de confinamento altamente restritivas, mas também o primeiro a reabrir, em março, depois de o Partido Comunista ter declarado vitória no combate à doença.

Economia indiana sofre colapso

A outra grande economia asiática, a Índia, sofrerá um colapso de 10,3% este ano (bem acima dos 4,5% projetados anteriormente), antes de retornar à trajetória positiva, em 2021, com um crescimento de 8,8% (2,8% acima do cálculo anterior).

O Fundo realiza esta semana a sua tradicional reunião anual, na qual discutirá os principais desafios económicos gerados pela pandemia do novo coronavírus.

  • 0:57