Economia

Paris aplica multas de 100 M€ à Google e de 35 M€ à Amazon devido à política de cookies

Pela inserção automática destes ficheiros para fins publicitários nos computadores dos utilizadores que se ligam aos seus sites web.

Paris anunciou hoje multas de 100 milhões de euros (120,9 milhões de dólares) para o Google e 35 milhões de euros (42,3 milhões de dólares) para a Amazon pelas respetivas políticas de cookies, foi hoje anunciado.

Num comunicado, a CNIL (comissão nacional de informática e liberdade francesa), organismo de vigilância digital francês, também apelou aos dois gigantes norte-americanos da Internet para mudarem as suas práticas e ameaçou que caso contrário aplicará novas sanções.

A CNIL, organismo de vigilância digital francês, explicou no comunicado que as multas são justificadas em particular pela inserção automática destes ficheiros para fins publicitários nos computadores dos utilizadores que se ligam aos seus sites web.

A CNIL salientou que "tais cookies não podem ser instalados sem o consentimento do utilizador".

A entidade considerou também que as janelas de informação nos cookies não ofereciam "qualquer informação" ao utilizador sobre as já instaladas no computador a partir do momento em que este se ligava aos sites web das empresas.

Finalmente, a CNIL censura a Google por mesmo quando a personalização dos anúncios foi desativada, um dos cookies de publicidade ainda estava armazenado no computador e continuou a registar o conteúdo para o motor de busca.

De acordo com os cálculos da CNIL, as práticas da Google, que derivam indiretamente das receitas publicitárias das informações recolhidas por esses instrumentos, afetaram "quase 50 milhões de utilizadores" em França.

O regulador insistiu na "seriedade" das infrações cometidas pelos dois grupos, que já alteraram as políticas de 'cookies' em 20 de setembro.

No entanto, com estas mudanças, os utilizadores da Internet ainda não conseguem compreender a finalidade destes elementos.

Por conseguinte, a CNIL pede-lhes que modifiquem as janelas de informação ao cliente no prazo de três meses, adiantando que se não o fizerem, serão obrigados a pagar 100.000 euros por cada dia de atraso.

Em janeiro de 2019, a CNIL já tinha imposto uma multa de 50 milhões de euros à Google por falta de transparência, informação incorreta e falta de consentimento na publicidade personalizada.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia