Economia

Fusão entre a PSA e Fiat-Chrysler concluída este mês

JULIEN DE ROSA

Carlos Tavares garantiu que estavam "prontos para a fusão, para criar valor e para avançar para a próxima fase desta história fabulosa".

A fusão entre a francesa PSA e Fiat-Chrysler ficará concluída em 16 de janeiro, depois de as assembleias de acionistas das empresas terem votado favoravelmente à operação, com mais de 99% dos votos, segundo o grupo italo-americano.

"A Fiat Chrysler Automobiles N.V. (FCA) e a Peugeot S.A. [PSA] anunciam que as respetivas assembleias de acionistas, hoje realizadas, aprovaram, por esmagadora maioria (mais de 99% dos votos expressos favoráveis à transação), a fusão entre a FCA e o Groupe PSA, para a criação da Stellantis N.V.", lê-se no comunicado divulgado pelo grupo.

Os acionistas da FCA aprovaram também resoluções relacionadas com a fusão, "incluindo a adoção dos futuros estatutos da Stellantis e a nomeação dos membros do Conselho de Administração da Stellantis anteriormente anunciados, com efeitos, em ambos os casos, a partir do dia seguinte à realização da fusão", de acordo com o comunicado.

"Após a aprovação de hoje pelos acionistas e da receção das autorizações regulamentares finais ao longo do último mês, nomeadamente, por parte da Comissão Europeia e do Banco Central Europeu, a FCA e o Groupe PSA preveem concluir a fusão já no dia 16 de janeiro de 2021", sendo que as "ações ordinárias da Stellantis começarão a ser negociadas na Euronext, de Paris, e no Mercato Telematico Azionario, em Milão, na segunda-feira, dia 18 de janeiro de 2021, e na Bolsa de Nova Iorque na terça-feira, dia 19 de janeiro de 2021", revelou o grupo.

Os acionistas da PSA, por sua vez, anunciaram esta segunda-feira que tinham aprovado em definitivo e por 99,95% dos votos a fusão com a Fiat-Chrysler numa assembleia geral extraordinária realizada em paralelo com a da empresa italo-americana.

"Prontos para a fusão, para criar valor e para avançar para a próxima fase desta história fabulosa"

O "número um" da PSA e futuro presidente executivo da Stellantis (que resultará da fusão entre os dois fabricantes de automóveis), Carlos Tavares, garantiu que estavam "prontos para a fusão, para criar valor e para avançar para a próxima fase desta história fabulosa".

O gestor insistiu ainda no facto de a fusão ter como objetivo alcançar sinergias anuais, e disse que esta "será a primeira prioridade da administração da Stellantis".

A dimensão da Stellantis, tendo em conta os dados agregados das duas empresas relativos a 2019, vai colocá-la como o terceiro fabricante mundial em volume de negócios, com 167 mil milhões de euros, e o quarto em volume de veículos, com mais de oito milhões, atrás apenas da Volkswagen, Toyota e da aliança Renault-Nissan-Mitsubisthi.

Carlos Travares lembrou também que a PSA, que detém as marcas Peugeot, Citroën, DS, Opel e Vauxhall, conseguiu melhorar os seus resultados nos últimos anos, a ponto de ter sido a empresa "mais rentável" do setor, tanto em 2019 quanto no primeiro semestre do ano passado.

Além disso, realçou o facto de ser "líder" na redução de emissões de dióxido de carbono (CO2), sendo que PSA ocupa o "primeiro lugar" neste critério na Europa, região que constitui o seu principal mercado.

"Seremos mais fortes juntos do que separados"

Carlos Tavares referiu também que o grupo que resulta da fusão tem atualmente uma posição financeira "sólida" e com o objetivo de esclarecer as dúvidas que têm sido levantadas sobre a situação financeira da Fiat-Chrysler disse que "nenhuma das empresas está em crise".

"Seremos mais fortes juntos do que separados", afirmou, apontando em primeiro lugar que a Stellantis traz uma grande complementaridade "em termos geográficos e tecnológicos" e depois que as duas entidades vão "somar investimentos em investigação e desenvolvimento".

As duas empresas complementam-se em termos geográficos ao nível dos mercados da Europa e norte-americano, mas o grande desafio que se põe é o mercado asiático, principalmente a China.

Quando a operação se concluir, a Stellantis terá 14 marcas diferentes e será uma empresa de direito holandês.

  • 4:05