Economia

Biden garante que nada tem contra multimilionários mas vai atacar fuga ao fisco

Leah Millis

Presidente dos EUA anunciou um plano de emprego que prevê custos de 1,7 biliões de euros.

O presidente dos EUA, Joe Biden, garantiu esta quarta-feira que nada o move "contra os milionários e os multimilionários", mas criticou empresas, como a Amazon, que não pagam um cêntimo de imposto sobre lucros.

"Acredito no capitalismo [norte-]americano", assegurou, durante um discurso em Pittsburgh, no Estado da Pensilvânia, no qual anunciou um plano de investimentos, no montante de dois biliões (milhão de milhões) de dólares (1,7 biliões de euros), a concretizar ao longo de oito anos, para modernizar as infraestruturas do país.

Para financiar estes investimentos, Biden tenciona aumentar os impostos sobre as empresas para 28%, depois de Donald Trump os ter baixado de 35% para 21%.

"Era 35%, o que era muito elevado. Há cinco anos entendemos que devia ser reduzida para 28%", disse.

"Ninguém se deve queixar", considerou, sublinhando que aquele valor "era inferior ao que esta taxa teve entre a Segunda Guerra Mundial e 2017".

Nos seus cálculos, a taxa em 28% vai permitir gerar um bilião de dólares de receitas suplementares para o Estado em 15 anos.

"Em 2019, uma análise independente revelou que existiam 91, repito 91, das maiores empresas do mundo, incluindo a Amazon, que utilizam diversas astúcias jurídicas e não pagam um único cêntimo de imposto federal sobre os seus lucros", disse.

"Não quero puni-las", insistiu, mas sublinhou que "isto não é normal".

O presidente norte-americano lamentou que um professor pague uma taxa de imposto de 22%, quando "a Amazon e outras não pagam qualquer imposto federal".

E fez uma promessa: "Vou acabar com isto".