Economia

Taguspark acordou salário mínimo com as empresas de outsourcing

Canva

Medida insere-se numa política de remunerações definida para a Cidade do Conhecimento.

O Taguspark chegou a acordo com todas as empresas de 'outsourcing' que ali prestam serviços para fixar o salário mínimo nos 900 euros, o que irá abranger 22 trabalhadores, foi esta segunda-feira divulgado por fonte oficial do Taguspark.

De acordo com informação do Taguspark, ao abrigo deste acordo, os trabalhadores que ali prestam serviços de limpeza, jardinagem e instalações especiais através de empresas terceiras passam a ganhar entre 900 euros e 1.200 euros.

A medida insere-se numa política de remunerações definida para a Cidade do Conhecimento.

"A conclusão deste processo de revisão das remunerações no Taguspark era algo que ambicionávamos há algum tempo. Esta medida enquadra-se no objetivo de tornar o Taguspark no Parque Mais Cívico da Europa e pretende implementar uma política de dignidade salarial para com aqueles que diariamente prestam serviços por conta de outrem nas nossas instalações", afirmou o presidente executivo do Taguspark, Eduardo Baptista Correia, numa declaração escrita enviada à agência Lusa.

Segundo Eduardo Baptista Correia, o objetivo é "que se estabeleçam salários que reconheçam o bom trabalho, fomentem a motivação e contribuam para condições de vida que ajudem a terminar com ciclos de pobreza e permitam maior dignidade para com quem trabalha".

A remuneração mínima de 900 euros aplicada no Taguspark, localizado em Oeiras, representa uma valorização de 41,7% em comparação com o salário mínimo nacional atualmente em vigor, que é de 665 euros.