Economia

Tribunal de Contas concedeu visto aos novos contratos do SIRESP

Governo investe quase 32 milhões de euros no SIRESP até 2022.

O Tribunal de Contas (TdC) concedeu visto aos contratos relativos ao modelo transitório de funcionamento do Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP), indicou esta sexta-feira fonte do TdC.

O visto do Tribunal de Contas é referente aos três contratos do modelo transitório de funcionamento do SIRESP, que entrou em vigor na quinta-feira por um período de 18 meses.

Estes contratos foram assinados com três fornecedores da rede SIRESP, nomeadamente com a Altice Portugal, que já tinha avançado que "há um entendimento das partes, devidamente celebrado para a continuidade da prestação de serviços inerentes ao normal funcionamento da rede".

O Estado comprou por sete milhões de euros a parte dos operadores privados, Altice e Motorola, no SIRESP, ficando com 100%, numa transferência que aconteceu em dezembro de 2019.

Desde essa altura que o Estado tinha um contrato com operadores privados para fornecer o serviço que terminou na quarta-feira, tendo entrado em vigor no dia seguinte o modelo transitório de gestão deste sistema de comunicações de emergência.

Numa nota enviada à Lusa, o Ministério da Administração Interna (MAI) explica que, como resulta do decreto-lei de 15 de maio que define o modelo transitório de gestão, operação, manutenção, modernização e ampliação da rede SIRESP, os contratos que estão no Tribunal de Contas visam garantir "o funcionamento ininterrupto" da rede, a partir desta sexta-feira e por um período adicional com o limite de 18 meses, "de modo a permitir, entretanto, a abertura de concurso público internacional para o funcionamento do modelo de desenvolvimento da área das tecnologias, comunicações e comunicações de emergência do MAI".

Segundo o MAI, este modelo da estrutura de gestão integrada do SIRESP inclui a área tecnológica da Rede Nacional de Segurança Interna, as comunicações, o 112.pt, as comunicações de emergência e as bases de dados dos serviços e organismos da administração interna.

"Essa gestão integrada vai ficar a cargo de uma entidade da administração indireta do Estado, a criar e com a sua orgânica e estatutos a aprovar no prazo de 180 dias, contados a partir de 15 de maio, que integrará as valências existentes nos serviços e organismos tutelados pelo MAI", precisa o comunicado do Ministério tutelado por Eduardo Cabrita.

O Governo publicou uma portaria que autoriza a empresa SIRESP SA a "investir 31,9 milhões de euros até ao final de 2022, para garantir o funcionamento do SIRESP durante a vigência do modelo transitório da sua gestão, operação, manutenção, modernização e ampliação", recorda o MAI.

O Ministério da Administração Interna indica ainda que foi publicada em 14 de maio a resolução do Conselho de Ministros que atribuiu, durante o segundo semestre deste ano, uma indemnização compensatória à empresa SIRESP S.A. no valor de 11 milhões de euros, "pelo cumprimento das obrigações de interesse e serviço público até à entrada em vigor do contrato de serviço público de gestão, operação, manutenção e modernização do SIRESP".

Depois dos incêndios de 2017, quando foram públicas as falhas no sistema, foram feitas várias alterações ao SIRESP, passando a rede a estar dotada com mais 451 antenas satélite e 18 unidades de redundância.

Veja também:

  • Merkel: mãe e verbo da Alemanha moderna

    Angela Merkel

    Carinhosamente chamada pelos alemães de "Mutti" (mãe), protagonizou um estilo único de fazer política na Alemanha. Não era uma grande oradora, nem fazia discursos inspiradores, mas a postura pragmática valeu-lhe respeito e admiração. "Merkeln" passou a ser verbo na Alemanha, em alusão à forma como a chanceler toma decisões.

    Ana Luísa Monteiro