Economia

Empresas obrigadas a pagar custos adicionais relacionados com o teletrabalho 

Trabalhadores têm de provar que contas aumentaram.  

As empresas vão ser obrigadas a pagar os custos adicionais relacionados com o teletrabalho.

Depois de meses a ser discutido no Parlamento, foi dado um passo importante que poderá fazer a diferença na carteira dos trabalhadores em regime de teletrabalho.

PS e Bloco de Esquerda apresentaram na sexta-feira propostas semelhantes, que deixam claro que o empregador deve pagar ao teletrabalhador todos os custos adicionais nas contas, incluindo nas da internet e energia.

Mas para que este pagamento seja feito, quem está em teletrabalho tem de comprovar que houve um acréscimo nas faturas e só assim será paga a diferença.

Em abril, o PS apresentou no Parlamento um projeto de lei que determinava que as despesas adicionais só seriam pagas quando comprovadas e com o acordo do empregador. Agora, no documento alterado, foi eliminado o acordo com o empregador.

Na nova proposta, os socialistas entendem ainda que o regime de teletrabalho deve ser regulamentado no código do trabalho e que o empregador tem o dever de se abster de contactar o trabalhador no período de descanso.

Leia mais:

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia