Economia

CUF anuncia troca de títulos de dívida que vencem em 2023 por outros que vão até 2027

CUF lançou duas ofertas: a compra, até 50 milhões de euros, de obrigações do empréstimo obrigacionista 2017/2023 e a troca de obrigações desse empréstimo por outras a emitir no empréstimo obrigacionista 2019/2027

A CUF anunciou esta segunda-feira, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), uma operação de troca de títulos de dívida que vencem em 2023 por outros que vencerão em 2027.

Segundo a nota, a CUF lançou esta segunda-feira duas ofertas. A primeira é a compra, até 50 milhões de euros, de obrigações representativas do empréstimo obrigacionista denominado “José de Mello Saúde 2017/2023”.

Neste caso, o titular da compra receberá como contrapartida, por cada obrigação representativa, "o respetivo valor nominal, acrescido de um prémio de 4%, ao qual acresce ainda 0,5% caso a ordem de aceitação da oferta seja transmitida até 14 de outubro de 2021 (inclusive)".

A segunda oferta anunciada é a troca "de obrigações representativas do empréstimo obrigacionista denominado “José de Mello Saúde 2017/2023” por obrigações a emitir representativas do empréstimo obrigacionista denominado “José de Mello Saúde 2019/2027”.

No caso da oferta de troca, o "titular receberá como contrapartida uma obrigação representativa do empréstimo obrigacionista denominado “José de Mello Saúde 2019/2027”.

Adicionalmente, os titulares que vendam ou troquem obrigações terão ainda "direito a receber os correspondentes juros corridos entre o primeiro dia do período de juros em curso e a data de liquidação das mencionadas ofertas".

As duas ofertas "são dirigidas exclusivamente a investidores qualificados e decorrerão entre 4 e 21 de outubro de 2021". O Banco Invest e o Haitong coordenam esta operação.

A operação é justificada pela CUF com a "prossecução da sua estratégia financeira e foco na redução de risco de refinanciamento, e tirando partido das condições atuais de mercado para alargar a maturidade média da sua dívida".

O Banco Invest e o Haitong coordenam esta operação.