Economia

Lucro da Greenvolt até setembro recua para 7,5 milhões de euros

TIAGO MIRANDA

O terceiro trimestre, no qual o lucro cresceu 46% em termos homólogos, foi o primeiro período trimestral que incluiu impactos na demonstração dos resultados das principais aquisições pela Greenvolt durante este ano

A Greenvolt apresentou lucros de 7,5 milhões de euros até setembro, ou seja, quase menos 27% que no mesmo período do ano anterior, apesar de no terceiro trimestre a empresa ter mostrado um melhor desempenho que nos três meses homólogos.

“O resultado líquido atingiu os 7,5 milhões de euros (-26,7%), reflexo dos resultados financeiros que traduzem as aquisições realizadas”, lê-se no comunicado enviado pela empresa à imprensa.

Os resultados dos primeiros nove meses registam receitas totais de 83,4 milhões de euros (+21%) e um EBITDA (resultado antes de juros, impostos, depreciações e amortizações), excluindo custos de transação, de 33,8 milhões de euros (+34%). Contabilizando estes custos, o EBITDA subiu apenas 16,4% para os 29,4 milhões de euros.

Resultado do terceiro trimestre sobe 46%

No terceiro trimestre, a Greenvolt somou lucros de 6,5 milhões de euros, um crescimento de quase 46% face ao mesmo período do ano anterior.

As receitas nestes três meses ascenderam a 41,4 milhões de euros, um crescimento de cerca de 83,4%.

Ao nível do EBITDA, a empresa somou 96,9% para os 18,8 milhões de euros. Excluindo custos de transação, registou-se um incremento nesta rubrica de 108,4% face ao ano anterior, para os 19,9 milhões de euros.

Contas começam a revelar impacto das aquisições

O terceiro trimestre foi o primeiro que incluiu impactos na demonstração de resultados das principais aquisições pela Greenvolt durante este ano, nomeadamente a Tilbury Green Power (TGP), a V-Ridium e a Profit, explica a empresa.

A aquisição da Tilbury Green Power concretizou-se formalmente a 30 de junho de 2021, a V- Ridium foi adquirida formalmente a 14 de julho e a Profit a 24 de agosto.

A empresa liderada por João Manso Neto (na foto) concluiu, no terceiro trimestre, a aquisição 70% do capital social da Profit Energy, empresa de engenharia especializada no desenvolvimento e conceção de projetos de produção de energia através de fontes renováveis e eficiência energética, com particular foco nos sistemas solares fotovoltaicos e na iluminação LED.

“A Greenvolt considera esta área de negócio como estratégica, ambicionando reforçar a sua quota de mercado a nível europeu”, refere a empresa.

Em termos financeiros, tendo em conta que a aquisição ocorreu no final de agosto de 2021, apenas foi considerado um mês de resultados da Profit nas contas do último trimestre. As receitas desta unidade de negócio ascendem a cerca de 360 mil euros, o que se traduziu num EBITDA de cerca de 27 mil euros.

Nos mesmos três meses, em paralelo, foram celebrados acordos de desenvolvimento em Itália e na Roménia, “com promotores reconhecidos no mercado” e, na Polónia, foi adquirida uma participação maioritária (51%) na KSME, empresa de soluções de armazenagem energética com um pipeline de cerca de 5,6 gigawatts (GW), dos quais cerca de 1,4 GW com interligação assegurada à rede elétrica polaca. A V-Ridium gerou um EBITDA negativo de 1 milhão de euros no trimestre e receitas de 865 mil euros, dada a fase de preparação dos projetos, intensa em custos operacionais”.

Em termos de projetos em fase avançada, foi antecipada a expectativa de entrada na fase de pré-construção de cerca de 220 MW. Assim, para o ano de 2022, a Greenvolt prevê ter cerca de 600 MW de projetos prontos a construir em Portugal, Polónia e Grécia.

A empresa recorda ainda que completou, com sucesso, a entrada na Euronext Lisbon no dia 15 de julho de 2021, tendo passado a integrar o PSI-20 durante o mês de setembro.