Economia

Fatura da água continua a ter preços (muito) diferentes entre municípios, avisa DECO

Fatura da água continua a ter preços (muito) diferentes entre municípios, avisa DECO
Canva

É um alerta antigo mas que tarda em resolver-se. Com a ajuda da DECO, compare tarifários e perceba a diferença de preços entre os concelhos e fica a saber o que não têm em comum Vila do Conde e Vila Flor.

As tarifas dos serviços de água e saneamento continuam com elevada discrepância entre os municípios, segundo um estudo da DECO Proteste, que alerta que os consumidores não devem ser os únicos a suportar os custos.

Numa nota sobre o estudo, revelado na revista Proteste de dezembro, a DECO salienta que há mais de dez anos que alerta "para a elevada discrepância entre as tarifas dos serviços de água e saneamento entre municípios do território nacional".

Segundo a associação, em 2022 a maior disparidade de preços, para consumos anuais de 120 metros cúbicos (m3) de água, encontra-se entre Vila do Conde (distrito do Porto), onde o valor total da fatura ronda os 480,21 euros, e Vila Nova de Foz Côa (Guarda), onde se pagará 88,20 euros (ambos os valores sem IVA).

DECO

Em relação à taxa do saneamento, incluída também nesta fatura mensal, os valores mais elevados são pagos em Póvoa de Lanhoso (Braga), correspondente a 186,89 euros, para um consumo mensal de 10 m3.

Em 2022, para um consumo de 120 m3 de água, um consumidor de Vila do Conde paga 480,21 euros (250,02 euros de abastecimento de água, 154,41 euros de saneamento e 75,78 euros de taxa de resíduos), no concelho de Baião (Porto) 453,32 euros, em Celorico de Basto (Braga) 451,10 euros, em Gondomar (Porto) 443,62 euros e na Trofa (também no Porto) 441,98 euros.

Os concelhos com o valor mais barato na fatura deste ano são Vila Nova de Foz Côa, com um total de 88,20 euros, Monchique (Faro) com 99 euros, Terras do Bouro (Braga) com 103,22 euros, Castro Daire (Viseu) com 108 euros e Vila Flor (Bragança) com 114 euros.

A DECO destaca que estas diferenças de valores dependem de vários fatores, como "as cláusulas contratuais entre as câmaras municipais e as concessões, o diferencial de custos e a comparticipação dos municípios na tarifa aplicada ao consumidor doméstico".

A associação salienta também que indicadores como a reabilitação de condutas, a ocorrência de avarias e as perdas reais de água são "determinantes na prestação do serviço de abastecimento de água".

"Ainda assim, não deve ser apenas o consumidor o único a suportar os custos destes indicadores", considera a associação, defendendo a necessidade de "mudanças neste setor".

Entre as alterações que defende está a regulação tarifária para a harmonização de preços nos diferentes concelhos, de forma a promover o uso eficiente deste recurso, que considera "um direito universal".

"Ajustar as contas para os consumidores é uma questão de equidade, que apenas pode ser resolvida com um regulamento tarifário", sublinha.

O cálculo da acessibilidade económica das famílias aos serviços de água e saneamento e a aplicação de tarifas sociais a famílias de carência económica são outras das medidas que a associação pretende ver aplicadas, tal como a aposta na reabilitação das estruturas, como os coletores.

Compare tarifários e perceba a diferença entre concelhos

Últimas Notícias
Mais Vistos