Afeganistão: Capital dos Errantes

Os ecos da memória

Pedro Coelho

Pedro Coelho

Jornalista Grande Reportagem SIC

Elliniko respirou a glória dos Jogos Olímpicos de 2004, em Atenas. Um imenso complexo desportivo, construído a partir do abandono do aeroporto da cidade. A fénix renasceu das cinzas, mas como num movimento perpétuo, de novo o pássaro da mitologia grega se desfez em cinzas. Depois dos Jogos, o complexo olímpico iniciou uma escalada descendente até ter sido apanhado, de novo, pelos tentáculos do abandono.

Uma crise migratória sem precedentes, que usou a Grécia como porta de entrada e cerco de milhares de refugiados, forçou, em 2016, a instalação de um largo punhado nos destroços do fausto olímpico.

Elliniko abrigava 2147 errantes escassos sete meses depois de ter chegado o primeiro contingente. As autoridades gregas foram forçadas a fechar o campo em junho de 2017.

A miséria humana que Elliniko alimentava, tornara-se demasiado ofuscante para passar despercebida.

Visitei Elliniko neste arranque de fevereiro. Corri atrás das memórias dos errantes.


A câmara de filmar deleita-se a captar sinais de vida, ruídos que criam movimento, ações que geram sequências, abraços, risos, choros, emoções… Nos campos de Elliniko, onde eu e o repórter de imagem José Silva entrámos clandestinos e estivemos até nos expulsarem, encontrámos tudo isso no meio do pesado silêncio.


As imagens que captámos, destinadas a um longo trabalho que estamos a fazer sobre refugiados, revelaram-se plenas de vida. Quem saiu, partiu à pressa, fugindo do caos. A cabeça de uma boneca, bolas desfeitas no meio de embalagens de comida, sapatos, dezenas de sapatos iguais aos milhares que sobreviveram às cremações de Hitler, roupas, livros, desenhos.

O desenho de uma cara cinzenta carregada de tristeza, revelou-se síntese mais do que perfeita da angústia dos dias de Elliniko.

  • Aldeia de Roberto Leal recebe notícia da morte com consternação
    2:02