Assalto em Tancos

Advogados souberam pela imprensa a decisão do juiz no processo de Tancos

Advogados souberam pela imprensa a decisão do juiz no processo de Tancos

As defesas apresentaram queixa do juiz Carlos Alexandra, que garantiu não ter passado informação à comunicação social.

O juiz Carlos Alexandre garante que não foi ele quem contou à comunicação social que tinha decidido levar a julgamento os arguidos de Tancos.

Na resposta a um protesto das defesas, por terem sabido do resultado pela imprensa, o magistrado explica que houve advogados a consultarem a decisão.

O assalto a Tancos

O processo tem 23 acusados, os quais respondem por um conjunto de crimes que vão desde terrorismo, associação criminosa, denegação de justiça e prevaricação até falsificação de documentos, tráfico de influência, abuso de poder, recetação e detenção de arma proibida.

Nove dos arguidos são acusados de planear e executar o furto do material militar dos paióis nacionais e os restantes 14, entre os quais Azeredo Lopes, que se demitiu do cargo político no seguimento do processo, e os dois elementos da PJM, da encenação que esteve na base da recuperação do equipamento.

O caso do furto das armas foi divulgado pelo Exército em 29 de junho de 2017 com a indicação de que ocorrera no dia anterior, tendo a alegada recuperação do material de guerra furtado ocorrido na região da Chamusca, Santarém, em outubro de 2017, numa operação que envolveu a PJM, em colaboração com elementos da GNR de Loulé.