Eleições Autárquicas

Autárquicas nos Açores. CDS não comenta negociação entre PSD e Chega, mas Ventura admite coligação

CDS evitou comentar as negociações entre o PSD Açores e o Chega para uma coligação autárquica de direita na região.

O CDS evitou esta segunda-feira comentar as negociações entre o PSD Açores e o Chega para uma coligação autárquica de direita naquela região. Confrontado pela SIC, André Ventura também não quis falar das negociações, mas admitiu que o acordo é uma possibilidade.

Há um tabú sobre as conversas para inclusão do Chega numa coligação autárquica açoriana com PSD, CDS, PPM e CH. André Ventura diz que o ponto de partida é a ida a votos sozinho, mas admite que está em cima da mesa uma coligação alargada da direita regional.

O Presidente do CDS mostrou-se incomodado com as perguntas sobre o assunto.

O CDS tem um acordo nacional com o PSD, que exclui qualquer entendimento autárquico com o partido de André Ventura. Na semana passada, José Silvano disse que desconhecias as negociações.

Veja também:

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros