Eleições Autárquicas

Autárquicas. Pedro Santana Lopes é candidato à Câmara da Figueira da Foz

Manuel Almeida

Exatamente 24 anos depois de o ter feito pela primeira vez.

O antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes, que na sexta-feira mudou a residência para a Figueira da Foz, apresentou-se este domingo como candidato a esta Câmara do distrito de Coimbra, exatamente 24 anos depois de o ter feito pela primeira vez.

"Cá estou. É uma decisão de enorme responsabilidade, num tempo difícil. Tenho estado a trabalhar, a estudar. Sempre disse que seria a Figueira da Foz e só a Figueira da Foz", disse Pedro Santana Lopes à agência Lusa, que será candidato pelo movimento "Figueira a Primeira".

Em 09 de maio de 1997, Santana Lopes anunciou a sua candidatura a esta Câmara, que viria a conquistar então pelo PSD.

Hoje, numa publicação no Facebook do movimento "Figueira a Primeira", que pede o regresso do também antigo presidente da Câmara de Lisboa à liderança daquele município do litoral do distrito de Coimbra, surge a mensagem "No mesmo dia, à mesma hora, uns anos depois. Cá estou".

"É uma decisão ponderada, de enorme responsabilidade. Tive vários convites para outras Câmaras, mas cá estou na Figueira da Foz", reforçou Santana Lopes à Lusa.

No Facebook do movimento, além daquela mensagem, surge uma imagem onde se pode ler "Figueira da Foz -- Uma Ligação para a Vida -- Autárquicas 2021" e ainda PSL, as letras que identificam o antigo primeiro-ministro e ex-presidente do PSD.

Nesta página, com 4.000 seguidores, Pedro Santana Lopes tem-se mostrado muito ativo, com variadas publicações e fotografias da Figueira da Foz.

Em 14 de abril, o movimento de cidadãos "Figueira a Primeira" apresentou Cristina Figueiredo como candidata à Junta de Bom Sucesso, naquele município.

Nos dias seguintes, foram apresentados vários outros candidatos às Juntas.

No dia em que o Movimento de Cidadãos Livres "Figueira a Primeira" enviou à agência Lusa uma informação sobre a candidata à Junta de Bom Sucesso, surgiu no Facebook uma imagem do também antigo líder da Câmara de Lisboa a olhar o porto daquela cidade.

Com a 'hashtag' #figueiraaprimeira, a página do Facebook do movimento apresenta uma imagem de Santana Lopes e a expressão "Ouvir / Avaliar", com a seguinte mensagem: "Primeiro, ouvindo quem sabe tudo sobre os viveiros e, depois, avaliando o que se diz, de certo e de disparatado, sobre o Porto Comercial e o Porto de Pesca. E, também, considerando a tão necessária Marina. Horas bem proveitosas. PS - só apareço eu para ninguém ficar nervoso", lia-se então na mensagem, assinada por PSL, as primeiras letras dos nomes pelos quais o antigo primeiro-ministro mais é conhecido.

Esta página apresenta também centenas de apoiantes à candidatura de Santana Lopes, tanto de residentes na Figueira da Foz, como de figueirenses espalhados pelo mundo.

Pedro Santana Lopes, que chegou a ser apontado nos meios de comunicação social como candidato a várias Câmaras, nomeadamente na região de Lisboa, nunca escondeu gostar da Figueira da Foz.

Nas suas páginas das redes sociais, tem aparecido recorrentemente na Figueira da Foz e publicado diversas mensagens.

Além disso, também na sua página pública do Facebook, Santana Lopes tem apresentado ideias para o município, assim como contas e números ou o trabalho por si realizado aquando da passagem pela Figueira da Foz como presidente da autarquia.

A Câmara da Figueira da Foz é liderada por Carlos Monteiro (PS), que se recandidata. O PS detém seis mandatos, enquanto o PSD detém três.

Os sociais-democratas apresentam às eleições de setembro ou de outubro o atual presidente da Turismo do Centro, Pedro Machado.

O CDS-PP volta a apresentar Miguel Mattos Chaves.

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia