Eleições Autárquicas

Ex-trabalhadores da Petrogal dizem-se usados por Costa para ganhar votos

Despedimento coletivo afetou quase 150 trabalhadores.

Os ex-trabalhadores da Petrogal dizem-se usados por António Costa para ganhar votos. Dizem que a intervenção desta semana do secretário-geral do PS, em Matosinhos, foi uma afronta para quem enfrentou um despedimento coletivo sem uma palavra do Governo.

A lição de responsabilidade que António Costa diz querer dar à Galp, com o fundo de transição justa previsto para proteger os trabalhadores despedidos, caiu que nem bomba e fez explodir a indignação de quem está desde dezembro a pedir ajuda ao Governo, que tarda em chegar.

As críticas de António Costa à Galp, usadas em plena campanha eleitoral, incendiaram a chama da luta destes ex-trabalhadores, que exigem que a empresa faça marcha atrás.

Na semana passada, foi oficializada a saída de cerca de 140 trabalhadores da Petrogal de Matosinhos, com a entrega dos cartões à empresa.

A Galp desligou a última unidade de produção da refinaria de Matosinhos em abril, depois de decidir concentrar as operações em Sines.

Veja mais:

  • A escola como uma gigantesca perda de tempo

    País

    Pode ser Eva. Fez um teste de Geografia e foi a única da turma a ter negativa. Dos seus olhos formosos e inexpressivos, num rosto negro como o touro do Herberto Helder, ruíram-lhe duas lágrimas. Mas daquelas que represam tanta água - tanta mágoa - que deixam cicatrizes aquosas. 43%.

    Opinião

    Rui Correia