Brexit

Parlamento britânico aprova moção que acusa Governo de desrespeito

Yves Herman

A Câmara dos Comuns britânica aprovou esta terça-feira uma moção que acusa o Governo de "desrespeito ao parlamento" por não ter divulgado o parecer jurídico completo sobre o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia ('Brexit').

Numa decisão sem precedentes, um total de 311 deputados, contra 293, votou a favor da moção contra o executivo da primeira-ministra Theresa May, por considerar insuficiente o relatório resumido apresentado ao parlamento pelo procurador-geral do Estado, Geoffrey Cox, sobretudo relativamente à solução para a Irlanda do Norte.

Na segunda-feira, o procurador-geral divulgou um resumo de 43 páginas desse parecer legal e respondeu a perguntas dos deputados no parlamento, onde justificou a decisão explicando que o documento completo deveria permanecer confidencial para não "prejudicar o interesse público".

A moção aprovada esta terça-feira, que insta o Governo a divulgar na íntegra a análise de Cox - em cumprimento do que fora decidido numa votação parlamentar anterior -, foi apresentada pelo Partido Trabalhista, o Partido Nacionalista Escocês (SNP), o Partido Democrático Unionista (DUP) da Irlanda do Norte - aliado do executivo -, o Partido Liberal Democrata, o galês Plaid Cymru e os Verdes.

O Governo que, ao perder a moção poderia ser alvo de sanções, incluindo a suspensão parlamentar de um dos seus membros, já indicou que vai divulgar integralmente o parecer do procurador-geral.

Além disso, Geoffrey Cox alegou esta terça-feira que o pedido inicial para a divulgação na íntegra do parecer jurídico era demasiado vago e pediu que a questão fosse remetida para uma comissão parlamentar, o que poderá evitar que algum membro do executivo de Theresa May seja suspenso.

A aprovação desta moção tem pouco impacto direto sobre o debate do Brexit, mas reflete a tensão crescente entre o executivo e o parlamento quanto aos próximos passos para a saída britânica do bloco comunitário.

Esta terça-feira ainda, o parlamento deverá iniciar o debate sobre o acordo de divórcio alcançado pelo Governo e a União Europeia, antes de o submeter a votação, a 11 de dezembro.

Lusa

  • "Quando estou com os avós sinto-me feliz"

    Desafios da Mente

    As investigações apontam que as crianças que têm avós envolvidos na prestação de cuidados podem ter melhores índices de saúde mental, como uma redução do risco de sintomas depressivos e de comportamentos desviantes, bem como melhor desenvolvimento cognitivo. Em Portugal, o Dia dos Avós celebra-se a 26 de julho. A data foi instituída pela Assembleia da República, em 2003.

    Mauro Paulino