Brexit

Brexit. E agora? Vários cenários possíveis, mas mais reduzidos

Kirsty Wigglesworth

Parlamento britânico voltou a rejeitar acordo.

Os deputados britânicos voltaram, esta sexta-feira, a rejeitar o acordo do Brexit, com 286 votos a favor e 344 contra, uma diferença de 58 votos.

Esta terceira rejeição lança de novo o processo numa incerteza, com um número mais reduzido de cenários possíveis.

Brexit sem acordo em 12 de abril

Londres tem até 12 de abril para propor uma solução alternativa à UE, caso contrário, o Reino Unido deixará a UE sem acordo nessa data. O país iria acabar sem um período de transição ou um plano para a continuação das relações, que duraram 46 anos, deixando o mercado único e a união aduaneira.

O cenário é temido pelas empresas, apesar de as partes terem intensificado os preparativos para esta eventualidade nos últimos meses.

Dylan Martinez

Longo adiamento do Brexit

Os líderes da UE abriram a possibilidade de um adiamento, desde que, entretanto, ocorra uma mudança significativa. Theresa May disse hoje que o Parlamento está "a chegar ao limite deste processo", mas não clarificou o que poderá fazer.

Um adiamento longo implica que o Reino Unido participe nas eleições europeias e fique na UE, possivelmente, até ao final de 2019.

Eleições legislativas

Podem ser convocados se o Parlamento e o Governo não conseguirem chegar a um acordo sobre uma solução para implementar o Brexit.

O Parlamento deve votar na segunda-feira novamente as várias opções possíveis, mas esta votação não é vinculativa e Theresa May pode então decidir convocar eleições para quebrar o impasse. Também pode ser forçada através de uma moção de censura contra o Governo.

Handout .

Revogação

Este cenário é rejeitado pela primeira-ministra, mas não pode ser descartado, tendo em conta o caos prevalecente no Reino Unido.

Segundo o Tribunal Europeu de Justiça, o Reino Unido pode decidir sozinho desistir de sair a UE, sem a necessidade de aprovação de outros Estados-Membros.

Uma petição a favor da revogação do artigo 50.º reuniu mais de cinco milhões de assinaturas e é apoiada pelo Partido Nacionalista Escocês. Mas uma tal mudança envolve a organização de novas eleições ou um novo referendo que iria derrubar o resultado de 2016, quando o Brexit foi determinado por 52% dos votos.

Handout .

Em resposta ao terceiro chumbo do Acordo de Saída, os líderes europeus vão reunir-se em Bruxelas. A cimeira extraordinária está marcada para 10 de abril.

Já depois deste terceiro veto, o líder do Partido Independente participou numa manifestação a favor da saída do Reino Unido da União Europeia, à porta do Parlamento britânico, em Londres.

Como é possível ver no vídeo, Nigel Farage precisou de escolta para abandonar o local:

Também durante a noite desta sexta-feira, um homem foi detido quando tentava entrar à força no número 10 de Downing Street, a residência oficial da primeira-ministra britânica Theresa May, em Londres.

O incidente registou-se durante os protestos que invadiram as ruas da capital britânica: