Brexit

Barnier fala em "semana decisiva" para avanços nas negociações com o Reino Unido

Gonzalo Fuentes

"Temos uma semana decisiva pela frente para avançarmos de forma tangível em todas as áreas, em conformidade com a declaração política".

O negociador-chefe da União Europeia (UE) para a futura relação comercial com o Reino Unido, Michel Barnier, disse esta terça-feira que a semana de negociações que agora arranca "é decisiva", instando a progressos, dado o balanço no final do mês.

"Temos uma semana decisiva pela frente para avançarmos de forma tangível em todas as áreas, em conformidade com a declaração política", salienta Michel Barnier, numa publicação feita na rede social Twitter.

O responsável lembra ainda a "reunião de alto nível a realizar no final deste mês, [que] fará o balanço dos progressos realizados", e que contará com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, ainda sem data ou detalhes determinados.

Hoje arranca uma nova ronda de negociações para o futuro comercial de Bruxelas e Londres, após o 'Brexit', numa semana decisiva para avançar nos trabalhos.

Esta é a quarta ronda de negociações relativa à futura parceria comercial após a saída do Reino Unido da UE, em final de janeiro passado, e será realizada à distância e por meios tecnológicos, dada a pandemia de covid-19, entre as equipas dos lados comunitário e britânico, respetivamente lideradas por Michel Barnier e por David Frost.

As discussões estiveram suspensas devido à pandemia - desde logo por ambos os negociadores terem sido infetados pelo novo coronavírus - e estão agora a ser realizadas por videoconferência, tendo em vista conseguir progressos palpáveis até ao final deste mês, altura prevista para um balanço das discussões.

Para junho continua, então, a estar prevista uma reunião de alto nível para avaliar o progresso e decidir sobre uma eventual extensão do período de transição, que termina em 31 de dezembro.

Porém, ainda não se registaram quaisquer progressos ou cedências.

Entre os assuntos com mais divergências estão o acesso equilibrado a ambos os mercados, a governança da futura parceria, a proteção dos direitos fundamentais e o setor das pescas.

O Reino Unido abandonou oficialmente a UE em 31 de janeiro passado, mas permanece dentro do seu espaço económico e regulatório até ao final do ano, durante o chamado período de transição.

O acordo de saída entre o Reino Unido e a UE permite que o prazo seja prorrogado por dois anos, mas o Governo britânico não quer o prolongamento para além de 31 de dezembro.

Resta então apenas mais uma ronda nas negociações, a desta semana, antes de as duas partes fazerem um balanço, tendo Londres já admitido abandonar as negociações se não houver suficiente progresso.