Ciclone Idai

Seis helicópteros nas buscas por vítimas do ciclone Idai em Moçambique

Pelo menos 69 mortos e mais de 1.400 feridos em resultado da passagem do ciclone Idai na cidade da Beira, em Moçambique.

As ações de busca e salvamento das vítimas do ciclone Idai, no centro de Moçambique, passam a contar a partir de hoje com seis helicópteros, disse hoje a diretora-geral do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades Naturais (INGC).

Domingas Maíta disse que vão chegar hoje, à cidade da Beira, a mais atingida pelo temporal, dois helicópteros, que se vão juntar aos quatro que já estão no terreno, para as operações de busca e resgate de pessoas cercadas pelas águas.

A diretora-geral do INGC fez o ponto de situação da emergência provocada pela passagem do ciclone Idai no centro de Moçambique, quando falava aos jornalistas, no final de um encontro de balanço com os parceiros nacionais e internacionais.

As aeronaves vão operar na Beira e nos distritos de Dondo e Nhamatanda, província de Sofala, e também em zonas atingidas da província de Manica.

"A província de Manica também precisa de meios para apoio aéreo para o levantamento da situação e resgate dos sitiados", acrescentou Domingas Maíta.

O INGC espera também pela chegada de um avião cargueiro sul-africano, que vai ajudar a transportar geradores para a cidade da Beira, que continua sem luz, devido à danificação de linhas de transporte pelo ciclone.

69 mortos e mais de 1.400 feridos

O balanço de hoje dado pelo IGNC aponta que 69 pessoas morreram vítimas do ciclone Idai, na cidade da Beira, e mais de 1.400 pessoas ficaram feridas.

O temporal desalojou milhares de pessoas, obrigando à abertura de 28 centros de acomodação, 18 na capital provincial e 10 no distrito de Dondo e poderá ser criado um na província de Manica.

Domingas Maíta adiantou que já está a ser canalizada ajuda alimentar às vítimas do temporal, mas é ainda muito insuficiente devido às dificuldades de acesso às zonas de concentração das pessoas afetadas.

"Temos garantia de que vamos ter assistência alimentar para cerca de 400 mil pessoas, com o apoio de vários parceiros externos", declarou Maíta.

Nesse sentido, prosseguiu, será necessária uma avaliação mais completa da situação no terreno para se apurar o número efetivo de pessoas que precisam de ajuda.

Filipe Nyusi visita a região afetada

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, sobrevoou de helicóptero, no domingo, a região alagada após a passagem do ciclone Idai pelo centro de Moçambique e apelou ao salvamento da população que ficou isolada.

O chefe de Estado encurtou no sábado uma visita oficial a Essuatíni (antiga Suazilândia) e viajou diretamente para a cidade da Beira, cujo aeroporto voltou no domingo a receber voos domésticos.

Nyusi destacou membros do Governo para a capital provincial, que está parcialmente destruída, por forma a agilizarem um balanço que permita tomar decisões quanto ao apoio humanitário na reunião de terça-feira do Conselho de Ministros.

Com Lusa

  • Minutos salva-vidas
    20:48