Coronavírus

Hospital confirma morte do médico que denunciou o surto de coronavírus

Governo avançou inicialmente que o médico tinha morrido, mas depois o hospital anunciou que estava em estado grave. Agora, o hospital de Wuhan confirma a morte de Li Wenliang.

O hospital de Wuhan anunciou esta quinta-feira às 20:00 (04:00 de sexta-feira, na China) que o médico chinês que denunciou o início do surto de coronavírus morreu.

Após avançarem que o médico chinês que tentou alertar para o surto de coronavírus teria morrido, os media chineses voltaram atrás e anunciaram que estava em estado grave no hospital de Wuhan, onde recebia tratamento para a mesma infeção que denunciou.

De acordo com a BBC, a notícia da morte do oftalmologista Li Wenliang foi avançada pelo jornal estatal Global Times. As reações não demoraram a chegar. O jornal oficial do Partido Comunista chinês recorreu às redes sociais para dizer que a morte do médico provocaria um "sofrimento nacional". Também a Organização Mundial de Saúde publicou um tweet a lamentar a morte.

No entanto, no mesmo dia, o Global Times alterou a notícia. Citando o hospital onde o médico estava, o jornal avançou que Li Wenliang estava em estado grave devido à infeção por coronavírus. Na altura, reportou ainda que o coração do oftalmologista terá parado de bater às 21:30 de quinta-feira, hora local, mas que os médicos recorreram a uma ECMO, uma técnica de suporte vital extracorporal.

Quem é o médico que denunciou o início do surto de coronavírus?

Médico oftalmologista no hospital de Wuhan, cidade onde começou o surto de coronavírus, enviou uma mensagem no dia 30 de dezembro a vários antigos alunos a descrever o que tinha acabado de testemunhar: sete doentes internados e em isolamento, com o diagnóstico de síndrome respiratória aguda, todos eles trabalhadores do mercado local.

A preocupação de Li Wenliang foi avisar alguns conhecidos do perigo do vírus e pedir que se protegessem a si e às suas famílias. O aviso acabou por ser partilhado fora do grupo e alguém denunciou as palavras do médico, que foi chamado pelo hospital para ser repreendido e, posteriormente, detido pela polícia chinesa por espalhar boatos que punham em causa a ordem social.

O médico é agora visto como um herói nacional por ter lutado pela verdade.