Coronavírus

Empresas do setor do transporte turístico em crise por causa do coronavírus

Samuel Vaz Filipe

Samuel Vaz Filipe

Repórter e Editor de Imagem

Dezenas de empresas vão reunir esta terça-feira para discutir o futuro e pedir intervenção do Governo.

Saiba mais...

As empresas de transporte de passageiros de turismo estão preocupadas com as quebras de procura no setor devido ao coronavírus.

Os cancelamentos têm crescido e afetam já o mercado interno de viagens. O futuro próximo, dizem, pode passar por encerramento de empresas e despedimentos.

Autocarros parados e sem passageiros. Este é o cenário atual em muitas pequenas e médias empresas de um setor que viveu um crescimento acentuado nos últimos anos. A ameaça do coronavírus começou por trazer cancelamentos vindos do estrageiro que se têm multiplicado agora cá dentro.

Cerca de 60 empresas do setor do transporte de turismo vão reunir-se esta terça feira em Pombal para discutir o futuro. Os receios são de falências e despedimentos se o cenário se mantiver por vários meses ou se agravar. A isto junta-se a falta de orientação das autoridades de saúde.

Na próxima segunda feira, dia 16, está prevista uma ação simbólica cujos pormenores ainda não foram divulgados. Apenas que será feita com algumas centenas de viaturas para chamar a atenção para os problemas do setor.

Veja também:

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros