Coronavírus

Coronavírus declarado pandemia pela Organização Mundial de Saúde

Handout .

OMS justifica a declaração de pandemia com "níveis alarmantes de propagação e inação".

Especial Coronavírus

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou esta quarta-feira a doença Covid-19 como pandemia. O coronavírus foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.300 mortos em 28 países e territórios. Portugal tem 61 casos confirmados.

"Níveis alarmantes de propagação e inação"

"Podemos esperar que o número de casos, mortes e países afetados aumente", afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

A OMS justifica a declaração de pandemia com "níveis alarmantes de propagação e inação".

"Os países podem ainda mudar o curso desta pandemia se detetarem, testarem, tratarem, isolarem, rastrearem e mobilizarem as pessoas na resposta", ressalvou Tedros Adhanom Ghebreyesus, na sede da OMS, em Genebra, na Suíça.

Hospital de Coimbra compra fatos de pintor para "situação de catástrofe"

O conselho de administração dos hospitais de Coimbra admite que foram comprados fatos de pintor para serem usados pelos profissionais de saúde. O presidente Fernando Regateira garante que os equipamentos de proteção são apenas para uma situação de catástrofe.

Mais de 120 mil pessoas infetadas no mundo

O número de infetados ultrapassou as 120 mil pessoas, com casos registados em 120 países e territórios.

Face ao avanço do Covid-19, vários países têm adotado medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena inicialmente decretado pela China na zona do surto.

Veja aqui as cidades colocadas em quarentena para impedir a propagação do coronavírus

A Itália é o caso mais grave depois da China, com mais de 10.000 infetados e pelo menos 631 mortos, o que levou o Governo a decretar a quarentena em todo o país.

"Não é possível prever cenário semelhante ao que se vive em Itália"

Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública, considera que é impossível prever em Portugal um cenário semelhante que ao se vive atualmente em Itália, onde já morreram 631 pessoas e mais de 10 mil estão infetadas.

Veja também: