Coronavírus

Marcelo anuncia reforço de equipamento médico para Hospital de Ovar

MIGUEL A. LOPES

Na segunda-feira, o hospital começou a receber infetados em estado de gravidade intermédio e já acolhe 11 doentes nessas condições.

O Presidente da República anunciou que será hoje reforçado o equipamento médico e de proteção disponível no Hospital de Ovar, nomeadamente através do envio imediato de mil zaragatoas pelo Ministério da Saúde.

A informação de Marcelo Rebelo de Sousa foi disponibilizada por videoconferência numa reunião com o presidente da autarquia, Salvador Malheiro, e com alguns dos profissionais de saúde que se voluntariaram para acompanhar a população infetada com covid-19 no concelho, há uma semana sob estado de calamidade pública, sujeito a cerco sanitário, a controlo de fronteiras e ao encerramento de toda a atividade não essencial.

O chefe de Estado abordou as necessidades atuais do Hospital de Ovar, que pediu ao Governo mais profissionais de saúde, medicamentos essencias e "expressamente mil zaragatoas".

Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que, nesta fase, os hospitais estão "em teoria" autorizados a contratar diretamente os médicos e outros profissionais de que precisem, dispensando autorização da tutela.

"Sabemos como isso é difícil nestas circunstâncias e daí o papel acrescido desses jovens [voluntários]. De facto, embora haja autonomia para contratar, com o estado de calamidade que se vive em Ovar e o estado de emergência no país, essa contratação é agora mais complexa e menos rápida", admitiu.

A "boa notícia", afirmou, é que o Ministério da Saúde assumiu o compromisso "de disponibilizar ainda hoje mil zaragatoas para o Hospital de Ovar".

Sem mencionar como serão satisfeitas as outras necessidades listadas pelo Hospital de Ovar, nem comentar o pedido de Salvador Malheiro a requisitar para o concelho mais testes de rastreio, o Presidente da República agradeceu o trabalho desenvolvido pelas instituições locais na luta contra a covid-19, o sentido de responsabilidade da população ao cumprir as medidas impostas pela quarentena geográfica e a disponibilidade dos profissionais de saúde que responderam ao apelo da autarquia em regime de voluntariado.

Alguns desses técnicos assistiam à conversa pelo ecrã, envergando máscaras e distribuidos por largos espaços da plateia, instalado no Centro de Arte de Ovar, mas o Presidente da República disse perceber que todos eles eram "muito jovens".

"Isso é garantia de futuro", afirmou, dirigindo-se à plateia de voluntários, "e revela que a solidariedade não é uma palavra, é um gesto e vai ser a vossa vida ao serviço de um povo".

Sem especificar quantos profissionais de saúde responderam ao apelo, Salvador Malheiro declarou que em causa estão médicos, enfermeiros e auxiliares "absolutamente decisivos" para o que o município tem pela frente.

A esses profissionais caberá "acompanhar a sério a população de infetados" não sujeita a internamento hospitalar, ou aqueles cujos sintomas são ligeiros e, por isso, se encontram em internamento domiciliário sob supervisão clínica diária, sublinhou.

A autarquia contabilizou 118 doentes, dois óbitos e cinco recuperações, e antecipou um aumento de diagnósticos positivos nos próximo dias, dada a crescente realização de testes para deteção da doença.

Veja também:

SIGA AQUI AO MINUTO AS ÚLTIMAS INFORMAÇÕES SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde registou na quarta-feira 43 mortos e 2.995 infeções confirmadas.

Dada a evolução da pandemia, a 17 de março o Governo declarou o estado de calamidade pública em Ovar, concelho de 148 quilómetros quadrados com cerca de 55.400 habitantes.

Desde as 00:00 do dia 19, o país encontra-se em estado de emergência, em vigor até às 23:59 de 02 de abril.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 450 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 20.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com cerca de 240.000 infetados, é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 7.503 mortos em 74.386 casos registados até hoje.

Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

  • 100 mortes e 5.170 casos de Covid-19 em Portugal

    Coronavírus

    O número de óbitos subiu de 76 para 100 em relação ao último balanço da DGS, enquanto o número de infetados aumentou de 4.268 para 5.170, mais 902 em relação a ontem. A região Norte continua a ser a mais afetada. A ministra da Saúde diz que a incidência máxima da doença deve acontecer no final de maio. Siga aqui ao minuto as últimas informações sobre a pandemia de Covid-19.

    Direto

    SIC Notícias