Coronavírus

Teatro do Bairro Alto com programação disponível online

TBA

No Dia Mundial do Teatro, o TBA junta-se a várias outras companhias que disponibilizam os seus conteúdos.

Saiba mais...

O renovado Teatro do Bairro Alto (TBA), em Lisboa, que encerrou no dia 10 de março como medida de contenção da covid-19, cinco meses após ter aberto, assinala hoje, Dia Mundial do Teatro, a programação que tem disponível 'online'.

"Ainda antes de ter um logótipo ou um número de telefone, o TBA começou 'online'. Ao longo deste último ano, procurámos contar a história deste novo teatro municipal de Lisboa através de fotografias, vídeos, peças sonoras e conferências. Hoje, porque é Dia Mundial do Teatro, recordamos todos os projetos do TBA que estão disponíveis 'online'", refere o teatro em comunicado.

Esta programação é diversa, mas essencialmente baseada em conversas ou conferências gravadas e disponíveis em formato de 'podcast' ou vídeo no YouTube, sobre teatro, música, experimentalismo e artes performativas.

Um dos programas disponíveis chama-se "Histórias do Experimental" e consiste numa série de conversas que, previsivelmente, ao longo de 2020 e 2021, vão dar a conhecer estudos singulares sobre episódios-chave do experimentalismo nas artes performativas entre a década de 1960 e hoje.

Para já, estão disponíveis as duas primeiras sessões no YouTube: na primeira, o professor de estudos de performance Mike Pearson fala sobre Mickery Theatre e como as suas condições e a própria arquitetura do edifício motivaram novas abordagens performativas pelas companhias; enquanto a segunda traz Giulia Palladini, especialista em Drama, Teatro e Performance, para falar do seu livro "The Scene of the Foreplay", sobre a cena experimental nova-iorquina da década de 1960.

"Dito e feito" é outra proposta 'online do TBA, um programa de 'podcast' lançado em 2019, de periodicidade e formato irregular, "em que falar é uma forma de fazer, e vice-versa".

Começou com três encomendas a artistas portugueses para criarem peças curtas sobre um teatro vazio e evoluiu para um espaço para conversa, para performance e para música, que conta com a participação, entre outros, da coreografa e dramaturga Lígia Soares, a artista visual e compositora Diana Policarpo, o artista performativo italiano Alessandro Sciarroni, o dramaturgo e encenador argentino Federico León, ou o filósofo, escritor e agitador cultural italiano Franco "Bifo" Berardi.

"(Quase) TBA", programa de pré-abertura do TBA, que decorreu nos meses de verão do ano passado, é outra das ofertas culturais disponíveis 'online', composta por "sete propostas intimistas" que foram apresentadas em espaços na vizinhança do TBA.

Disponíveis também no YouTube, os episódios deste programa incluem o músico norte-americano Ian Nagoski a contar histórias dos seus discos do Médio Oriente, o artista e escritor sediado em Inglaterra Augusto Corrieri a falar da sua investigação sobre teatros vazios, e a arquiteta Joana Braga a conversar sobre Lisboa com várias convidadas.

O programa mais antigo nasceu em 2018, quando o TBA não tinha ainda número de telefone ou data de abertura marcada, mas já começava 'online'.

Nessa altura, inaugurou as suas redes sociais, começou a mostrar o TBA passo a passo, André Cepeda fotografou o espaço vazio e a equipa do TBA juntou-se aos videastas Sara Morais e Pedro Gancho para criar três vídeos sobre o teatro.

Esse conjunto de vídeos e fotos encontram-se disponíveis tanto no portal do próprio teatro como no YouTube.

No dia 10 de março, a Câmara Municipal de Lisboa anunciou o encerramento dos museus e teatros municipais (São Luiz, LuCa e TBA), bem como a suspensão das atividades desportivas promovidas pelo município em recinto fechado, pelo menos até dia 03 de abril, no âmbito de um conjunto de "medidas temporárias para reduzir riscos de exposição e contágio" da Covid-19.

Este novo Teatro do Bairro Alto -- virado para o experimentalismo - reabrira no dia 11 de outubro de 2019, depois de meses de obras, no espaço anteriormente pertencente ao Teatro da Cornucópia, que estava fechado desde 2016.

Sobe para 76 o número de mortos por Covid-19 em Portugal. Mais de 4 mil casos

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta quinta-feira a existência de 76 mortes e 4.268 casos de Covid-19 em Portugal.

O número de óbitos subiu de 60 para 76 em relação ao último balanço da DGS, enquanto o número de infetados aumentou de 3.544 para 4.268, mais 724 relação a ontem, uma subida que representa um aumento de 20,4%.

Há, ao todo, 43 casos recuperados a registar, os mesmos que ontem.

Quase 25 mil mortos em todo o mundo

O novo coronavírus matou 24.663 pessoas em todo o mundo desde que surgiu em dezembro. Foram registados 539.360 casos de infeção em mais 183 de países e territórios desde o início da epidemia. Pelo menos 112.200 foram considerados curados.

Itália, que registou a primeira morte ligada ao coronavírus no final de fevereiro, é o país mais afetado em número de mortes, com 7.503 em 74.386 casos. 9.362 pessoas foram consideradas curadas pelas autoridades italianas.

Depois da Itália, os países mais afetados são Espanha, com 4.858 mortes para 64.059 casos, a China continental com 3.292 mortes (81.340 casos), o Irão com 2.378 mortes (32.332 casos) e França com 1.696 mortes (29.155 caso).

A Europa totalizou 16.925 mortes para 292.246 casos, Ásia 3.682 mortes (101.935 casos), Médio Oriente 2.437 mortes (38.896 casos), Estados Unidos e Canadá 1.332 mortes (89.400 casos), América Latina e Caraíbas 182 mortes (10.056 casos), África 91 mortes (3.340 casos) e Oceânia 14 mortes (3.491 casos).

SIGA AQUI AO MINUTO AS ÚLTIMAS INFORMAÇÕES SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Veja também: