Coronavírus

Catalunha aconselha reduzir tratamentos dos maiores de 80 anos

J.J.GUILLEN / EPA

E dar prioridade aos mais novos em caso de um colapso das unidades de cuidados intensivos na região.

Especial Coronavírus

Os serviços médicos da Catalunha aconselham que, se houver um colapso das unidades de cuidados intensivos na região, se deve "limitar o esforço terapêutico com os pacientes com mais de 80 anos” e dar prioridade aos mais novos.

Um documento interno do Sistema de Emergência Médico (SEM) catalão, que depende do Departamento de Saúde do Governo regional, aconselha a "limitar o esforço terapêutico com os pacientes com mais de 80 anos de idade, dando prioridade àqueles que mais podem beneficiar, em termos de anos de vida ou da máxima possibilidade de sobrevivência".

O documento entregue aos profissionais de saúde do SEM em 25 de março último recomenda que os maiores de 80 anos não sejam entubados e que o tratamento lhes seja feito com uma máscara de oxigénio, acrescentando que, se estes não melhorarem, a morfina pode ser escolhida para aliviar a sensação de falta de ar.

O diretor médico do SEM, Dr. Xavier Giménez, explicou à agência Efe que estas recomendações não são instruções e foram tomadas com base científica e em critérios éticos.

Giménez reconheceu que as unidades de cuidados intensivos dos hospitais da Catalunha estão cheias de pessoas de entre 40 e 70 anos, daí a decisão de aceitar pessoas fora desses centros, como em salas de desporto e hotéis para pacientes menos graves.

Quanto aos maiores de 80 anos, o documento SEM indica que esses pacientes receberão "apenas oxigenoterapia com máscara de alta concentração" e que, se não melhorarem em 15 minutos, "pode ser tomado em consideração o tratamento de conforto (morfina) para aliviar a sensação de dispneia".

Os pacientes com idades entre 75 e 80 anos receberão o mesmo tratamento, embora a respiração assistida seja considerada a primeira opção, enquanto os menores de 75 anos serão tratados com uma máscara de oxigénio, mas, se não melhorarem, ser-lhes-á colocado um respirador.

"Quando se observa que as medidas terapêuticas são fúteis, o paciente pode ser levado para casa, desde que o seu acompanhamento e os cuidados paliativos possam ser assegurados pela rede de cuidados primários. Caso contrário, recomenda-se que o paciente seja transferido" para um centro de saúde, em vez de uma urgência hospitalar, indica o texto do SEM catalão.

Estas recomendações dão instruções para que o pessoal sanitário não faça referências a que "não há camas para todos" para negar a utilização de camas nas unidades de cuidados intensivos aos familiares dos idosos.

Esta política é apoiada pelo Conselho das Associações Médicas da Catalunha, que também enviou um documento a alguns dos seus membros no qual se faz referência aos idosos internados em lares e se diz que os que se encontram numa situação de fim de vida devem considerar o tratamento no mesmo local, sem transferência para um hospital.

Por seu lado, o Observatório de Bioética da Universidade de Barcelona afirma num documento da sua autoria que, "em relação à idade, o suporte respiratório máximo sob outras formas além de ventilação mecânica com intubação e oxigenoterapia de alto fluxo deve ser considerado para pacientes acima de 80 anos de idade com comorbidades" (mais de uma doença de base).

"Os pacientes entre 70 e 80 anos sem comorbidades significativas ou com comorbidades podem ser candidatos à ventilação mecânica", diz o Observatório, que considera que, "idealmente, as decisões devem ser tomadas por um comité de triagem hospitalar", um processo de triagem que agora foi aceite pelo Sem, que decide, com estas recomendações, quem vai ou não a um hospital.

Em Espanha, os serviços de saúde estão descentralizados pelas suas 17 comunidades autónomas, mas neste momento à uma responsabilidade maior do Governo central devido ao “estado de emergência” decretado a partir de 14 de março último.

O país é um dos mais afetados pela pandemia covid-19, sendo a região de Madrid a mais atingida, com 29.840 infetados e 3.865 mortos, seguida pela da Catalunha (19.991 e 1.849).

Situação nos hospitais de Espanha "é um inferno"

Pandemia já matou mais de 43 mil pessoas em todo o mundo

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 828.000 pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 41.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com mais de 458.000 infetados e mais de 30.000 mortos, é aquele onde se regista atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 12.428 mortos em 105.792 mil casos confirmados até terça-feira.

187 mortes e 8.251 casos de Covid-19 em Portugal

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta quarta-feira a existência de 187 mortes e 8.251 casos de Covid-19 em Portugal.

O número de óbitos subiu de 160 para 187, enquanto o número de infetados aumentou de 7.443 para 8.251, mais relação a ontem, o que representa um aumento de 10,9%.

Há, ao todo, 43 casos recuperados a registar, um número que se manteve intacto nos últimos sete boletins divulgados pela DGS.

SIGA AQUI AS ÚLTIMAS INFORMAÇÕES SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19