Coronavírus

"Até quero ser infetada com o coronavírus para morrer"

"Até quero ser infetada com o coronavírus para morrer"

Marco Carrasqueira

Marco Carrasqueira

Editor de Imagem

Covid-19: o País e o Mundo

Especial Coronavírus

Num cenário de pandemia, a vida nos campos de refugiados do norte da Síria torna-se ainda mais dramática. Todos tentam limpar e desinfetar as tendas onde vivem mas "a situação é difícil".

Ali Hallk diz que têm medo do coronavírus porque as tendas não os protegem do vírus.

Em 2019, o número de refugiados ultrapassou os 70 milhões de pessoas. 37 mil pessoas por dia abandonaram as suas casas devido a guerras, conflitos e perseguições. Há mais de 11 mil crianças a viajar sozinhas ou em campos de refugiados.

Rula Amin, porta-voz da ACNUR, diz que também na Jordânia e no Líbano a situação dos refugiados é muito dura. Há quem diga que quer ser infetada com o coronavírus para morrer.

Em Lesbos, na Grécia, no campo de Moria, a situação é idêntica, com 22 mil pessoas concentradas numa área muito pequena onde não há sequer um sítio para lavar as mãos.

Veja também: