Coronavírus

Brescia ameaça retirar-se se a Série A for retomada

Daniele Mascolo

Apesar de o clube se encontrar na última posição do campeonato, o presidente garante que a decisão é tomada por respeito para com os cidadãos.

Especial Coronavírus

O presidente do Brescia, Massimo Cellino, assegurou que retirará o clube da Série A, suspensa devido à pandemia de Covid-19, caso o campeonato italiano de futebol da época 2019/20 seja retomado.

"Se nos obrigarem a jogar estou disposto a retirar a equipa do campeonato e perder, de imediato, todos os jogos. Fá-lo-ia em respeito pelos cidadãos de Brescia e os seus entes queridos que morreram", disse Cellino.

O dirigente, que reafirmou que a Série A não deve ser retomada esta temporada, recusou que a tomada de posição tenha algo a ver com o facto de o Brescia ser último classificado, em zona de descida.

"É-me indiferente descer, até agora merecíamos e tenho as minhas responsabilidades", acrescentou o presidente do clube, de uma cidade que é um dos principais focos do novo coronavírus em Itália, o segundo país com mais casos de pessoas infetadas (110.574), e o primeiro com mais mortos (13.155).

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de 905 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram quase 46 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 176.500 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia, e o continente europeu é neste momento o mais atingido, com perto de 33.000 mortos e acima de 490 mil pessoas infetadas.

Em Portugal, que está em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 2 de abril, registaram-se 187 mortes e 8.251 casos de infeções confirmadas, segundo o balanço feito na quarta-feira pela Direção-Geral da Saúde.