Coronavírus

Covid-19: Crematório de Milão encerra devido ao excessivo número de corpos

Alessandro Garofalo

Período de espera é de 20 dias.

Saiba mais...

O maior crematório de Milão encerrou esta quinta-feira devido ao afluxo de corpos que não teve capacidade para incinerar, anunciou o município da capital lombarda.

De acordo com o último balanço oficial, a pandemia do coronavírus vitimou 760 pessoas nas últimas 24 horas em Itália, incluindo 366 na Lombardia, a região mais duramente atingida.

Desde o início da pandemia, mais de metade das mortes em Itália (7.960 num total de 13.915) foram contabilizadas nesta região do Norte, e o principal núcleo económico da península.

O principal crematório de Milão tem-se confrontado "com um aumento constante e progressivo de corpos que aguardam cremação", prosseguiu o município. Os responsáveis municipais indicaram ainda que o prazo de espera é de 20 dias.

No caso de aumento deste prazo, a situação "provocaria problemas de higiene e sanitários", segundo o município, que indicou que a estrutura não aceitará mais corpos durante um mês. O município precisou que 2.155 milaneses morreram em março, contra 1.224 no mesmo período de 2019.

Em Bérgamo, outra cidade da Lombardia e a mais atingida da Itália, os corpos foram transportados por camiões militares em direção a outras regiões do país para serem incinerados.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia de covid-19, já infetou um milhão de pessoas em todo o mundo e já provocou 50 mil mortos.

  • "Amal": a viagem de uma marioneta gigante carregada de esperança

    Mundo

    O projeto "The Walk" tem um lema: "Não se esqueçam de nós". Em conjunto com várias organizações culturais e humanitárias, o festival itinerante pretende reproduzir o percurso de uma criança refugiada síria em busca da sua mãe. Amal começou a sua jornada na Turquia e irá passar por oito países, num total de 8.000 quilómetros.

    Filipa Traqueia