Coronavírus

Covid-19: ONU prevê contração da economia mundial em 1%

Matthias Schrader

Esta é uma das consequências das restrições impostas à atividade económica.

Especial Coronavírus

A Organização das Nações Unidas (ONU) prevê que a economia mundial se contraia quase um por cento este ano por causa da pandemia do novo coronavírus, em vez de crescer 2,5%, como se previa.

Em relatório divulgado na quarta-feira, o Departamento dos Assuntos Económicos e Sociais da ONU preveniu que a produção económica mundial até pode diminuir mais do que os agora esperados 0,9%, se as restrições às atividades económicas se prolongarem pelo terceiro trimestre e se as respostas orçamentais falharem no apoio ao rendimento e consumo das famílias.

No documento adiantou-se que os efeitos negativos das atuais restrições económicas nos Estados mais ricos e desenvolvidos vão alargar-se aos outros países, que vão ter uma redução dos seus fluxos de comércio e investimento.

A severidade do impacto económico, seja uma recessão moderada ou profunda, vai depender da duração das restrições ao movimento de pessoas e às atividades económicas nas principais economias e da dimensão e do impacto das respostas orçamentais, especificou-se.

O sub-secretário-geral da ONU para os Assuntos Económicos e Financeiros, Liu Zhenmin, disse: "Medidas urgentes e fortes são necessárias, não apenas para conter a pandemia e salvar vidas, mas também para proteger os mais vulneráveis nas nossas sociedades da ruína económica e sustentar o crescimento económico e a estabilidade financeira".

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de 905 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram quase 46 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 176.500 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.