Coronavírus

Mais seis voos anunciados entre Angola e Portugal até 17 de abril

Carlos Osorio

Além destes voos, um grupo de 260 cidadãos portugueses vai regressar hoje numa ligação da euroAtlantic airways.

Especial Coronavírus

Um total de seis voos charter estão agendados entre hoje e 17 de abril para fazer a ligação entre Angola e Portugal, cinco dos quais entre Luanda e Lisboa e um para o Porto.


Além do voo da euroAtlantic airways que vai trazer hoje de regresso a Portugal um grupo de 260 cidadãos portugueses, numa operação contratada pela Alive Portugal, a mesma agência de viagens anuncia mais dois voos entre Luanda e Lisboa, a 09 e 17 de abril.


A Across, em parceria com a Kitanda das Viagens Angola e Mercado da Viagens Viseu, vai operar voos charter da Hi Fly, com partidas anunciadas para os dias 08 e 14 de abril.
A Travelgest, por seu lado, anuncia para o dia 16 de abril um charter operado pela Air Europa para ligar Luanda e Porto.


Angola fechou as fronteiras aéreas, terrestres e marítimas à circulação de pessoas a 20 de março, para tentar conter a propagação da Covid-19, mas tem autorizado voos especiais para cidadãos estrangeiros que desejam regressar aos seus países de origem.


O país regista até ao momento 14 casos de infeção com o novo coronavírus, dos quais dois resultaram em morte e dois já recuperados.

SIGA AQUI AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

ESPECIAL CORONAVÍRUS


O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 68 mil.


Dos casos de infeção, mais de 238 mil são considerados curados.


Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.


A pandemia afeta já 51 dos 55 países e territórios africanos, com mais de 8.500 infeções e mais de 360 mortes, segundo o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC). São Tomé e Príncipe permanece como o único país lusófono sem registo de infeção.