Coronavírus

Nem todos têm uma casa onde se isolar 

Nem todos têm uma casa onde se isolar 

Marco Carrasqueira

Marco Carrasqueira

Editor de Imagem

Covid-19: o País e o Mundo 

Especial Coronavírus

Os sem-abrigo são um dos grupos mais vulneráveis face à pandemia do coronavírus. Sem uma casa onde ficar, estas pessoas estão mais expostas ao vírus.

Do Brasil ao Líbano, passando pela Alemanha e Roménia, muitos são os países que tentam arranjar forma de proteger os sem-abrigo.

Mais de um quarto da população do Líbano vive abaixo do limiar de pobreza. "Muitas noites fui para a cama sem comer. Senti a fome, senti a pobreza", é o testemunho de um dos muitos desempregados no país, que diz ainda que o "o pior ainda está para vir".

Cerca de 15 mil pessoas vivem nas ruas do Rio de Janeiro. O sambódromo da cidade foi agora reconvertido para acolher 400 sem-abrigo, de modo a serem protegidos do vírus que está lá for a.

Na Alemanha, vários hotéis estão a hospedar sem-abrigo durante a pandemia. Em Frankfurt, um desses estabelecimentos alia a proteção destas pessoas desprotegidas aos funcionários com problemas e que precisam de um dia a dia rotineiro.

Em Brasov, na Roménia, perante a falta de locais seguros para os sem-abrigo, a discoteca 4Rooms foi convertida em abrigo temporário para 80 pessoas.

  • Uma Casa Cheia
    13:06