Coronavírus

Sevilha chega a acordo com plantel e avança para lay-off

Marcelo del Pozo

Clubes como Barcelona, Atlético de Madrid já recorreram ao mecanismo de Expediente de Regulação Temporária de Emprego.

Especial Coronavírus

O Sevilha, da Liga espanhola de futebol, avançou para um ERTE (Expediente de regulação temporária de emprego) junto do Estado espanhol, informando ter um princípio de acordo com o plantel, indicou o clube em comunicado.

"A suspensão por tempo indeterminado da liga e das competições europeias afetaram substancialmente a atividade do clube, razão pela qual a administração (...) decidiu apresentar um ERTE. Foi alcançado um princípio de acordo com o plantel principal e equipa técnica, que se finalizará nos próximos dias", diz a nota.

O clube, do internacional português Rony Lopes, não esclarece os termos do acordo, justificando que a ida para lay-off (ERTE) é inevitável num dos momentos mais "complicados" em 130 anos de história.

"Uma situação nunca antes vivida, que requer o esforço, sacrifício e compromisso de todos", adianta o clube andaluz.

Em Espanha, com as competições paralisadas, tal como em quase todos os países, devido à pandemia da Covid-19, além do Sevilha, também o FC Barcelona, Bétis, Atlético de Madrid, Osasuna ou Saragoça recorreram já ao mecanismo legal de regulação temporária de emprego.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 1,4 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 80 mil. Dos casos de infeção, cerca de 260 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com cerca de 735 mil infetados e mais de 57 mil mortos, é aquele onde se regista o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, contabilizando 17.127 óbitos em 135.586 casos confirmados até terça-feira.

A Espanha é o segundo país com maior número de mortes, registando 14.555 mortos, entre 146.690 casos de infeção confirmados até terça-feira, enquanto os Estados Unidos, com 12.910 mortos, são o que contabiliza mais infetados (399.929).

SIGA AQUI AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19