Coronavírus

O relato de uma médica intensivista nos EUA

Trabalha num dos maiores e mais prestigiados hospitais em Manhattan, o Mount Sinai.

Saiba mais...

Sanam Ahmed é médica nos cuidados intensivos no Mount Sinai, em Manhattan. Este hospital tem condições de trabalho acima da média dos colegas intensivistas. E Sanam conta como começa o dia.

Os Estados de Nova Iorque e Nova Jérsia juntos registam cerca de metade dos infetados pelo novo coronavirus nos Estados Unidos e mais de metade dos mortos nos 50 estados norte-americanos.

Donald Trump, que contrariou durante semanas as recomendações dos especialistas e priorizou a economia, aponta agora o dedo à Organização Mundial de Saúde. Primeiro prometeu cortar fundos à OMS, para depois acusar o director-geral de ser tendencioso em relação à China e ter atuado tarde.

ACOMPANHE AQUI AO MINUTO TODA A INFORMAÇÃO SOBRE A COVID-19

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros