Coronavírus

OMS insiste que coronavírus veio de morcego e não de laboratório

Social Media

Organização pede que as pessoas não acreditem em teorias falsas.

Especial Coronavírus

As evidências reunidas pelas autoridades de saúde mundiais sugerem que o novo coronavírus surgiu a partir de morcegos e não da "criação em laboratório", como muitas teorias defendem.

A revelação é feita pela porta-voz da Organização Mundial de Saúde (OMS), Fadela Chaib, depois de ser anunciado que o Governo dos Estados Unidos da América está a investigar a possibilidade do novo coronavírus ter-se propagado através de um laboratório chinês, em vez de num mercado.

Em conferência de imprensa, esta terça-feira, a porta-voz da OMS esclareceu que não é possível, "nesta fase", determinar com exatidão a origem do vírus que causou a pandemia da Covid-19.

"No entanto, todas as evidências disponíveis sugerem que o vírus tem origem natural de um animal. Não é um vírus manipulado, nem criado. O mais provável é que o morcego seja o hospedeiro reservatório do vírus", reiterou.

Citada pela CNN, Fadela Chaib insiste uma vez mais que as evidências não suportam a ideia de que o vírus foi criado em laboratório e que as pessoas deviam focar-se em factos e não em falsas teorias sobre a origem do vírus.

O surto do novo coronavírus foi detetado em dezembro do ano passado, num mercado da cidade chinesa de Wuhan. Desde então, mais de 170 mil pessoas morreram e cerca de 2,5 milhões foram infetadas em todo mundo com a Covid-19, a doença causada pelo coronavírus.

Portugal, com 735 mortes registadas e 20.863 doentes é o 16.º país do mundo com mais óbitos e também o 16.º em número de infetados.