Coronavírus

Isolamento rigoroso de 47 dias impediu Covid-19 de "entrar" em lar de idosos em França

Uma residente do lar Vilanova perto de Lyon onde, durante 47 dias e noites, enfermeiras e 106 idosos se isolaram do mundo e não registaram infeções pelo novo coronavírus.

Laurent Cipriani / AP

O número de vítimas mortais associadas à covid-19 registadas em lares de idosos em França ultrapassa as 9 mil.

Especial Coronavírus

À medida que a crise da covid-19 progredia em França, especialmente nos lares de idosos, uma residência sénior perto de Lyon decidiu isolar-se do mundo durante quase 50 dias, tendo hoje anunciado que nenhum caso foi detetado naquela instituição.

Durante 47 dias e noites, uma equipa de 13 funcionários e 106 residentes deste lar de idosos situado nos arredores de Lyon, a terceira maior cidade de França, mantiveram-se fechados nas instalações da instituição, sem qualquer contacto exterior, e cumpriram um isolamento rigoroso.

Hoje, segundo relatou a agência norte-americana Associated Press (AP), a longa quarentena de quase 50 dias terminou em tom de celebração, uma vez que todos os funcionários e residentes do lar tiveram testes negativos ao novo coronavírus.

"Conseguimos", afirmou à AP a responsável pela gestão do lar, Valerie Martin, acrescentando: "Todos os dias, todas as horas, eram uma vitória".

Em declarações à AP, Valerie Martin afirmou que prometeu a si mesma que a história deste lar de idosos seria diferente em relação a muitas outras residências seniores, nomeadamente em França, que testemunharam a morte de milhares de utentes.

Só em França - onde o confinamento está em vigor desde o dia 17 de março -, o número de vítimas mortais associadas à covid-19 registadas em lares de idosos ultrapassa as nove mil.

"Eu disse não. Não no meu lar. Os meus residentes ainda têm muito que viver", disse Valerie Martin.

"Não quero que este vírus mate estas pessoas que já passaram por tanta coisa", reforçou a responsável.

Durante o período de confinamento, foram registados quatro óbitos neste lar de idosos, sendo que nenhum está aparentemente ligado ao novo coronavírus, de acordo com Valerie Martin.

A média de idades nesta residência sénior situa-se nos 87 anos e os óbitos registados não foram inesperados, segundo referiu a responsável.

Uma vez que os funcionários do lar e os utentes cumpriram juntos o isolamento, e nunca saíram para o exterior, a instituição não precisou de confinar as pessoas nos respetivos quartos ou em outras áreas, permitindo o convívio e passeios numa zona exterior que integra a residência.

Tal situação, segundo relatou Valerie Martin, permitiu poupar os residentes a sentimentos relacionados com a solidão ou com o isolamento.

Os utentes só ficaram isolados nos respetivos quartos durante os dois primeiros dias, enquanto os funcionários realizavam uma desinfeção geral às instalações do lar.

Segundo a AP, e após quase 50 dias fechados com os utentes do lar, os cuidadores dos idosos, que se autodefiniram como "felizes em confinamento", irão agora regressar às respetivas famílias e casas.


Os últimos dados conhecidos indicam que França registou, até à data, 24.895 mortos e mais de 168 mil casos de infeção.

Mais 20 mortes e 242 infetados com Covid-19 em Portugal

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta segunda-feira a existência de 1.063 mortes e 25.524 casos de Covid-19 em Portugal.

O número de óbitos subiu, de ontem para hoje, de 1.043 para 1.063, mais 20 - uma subida de 1,9% -, enquanto o número de infetados aumentou de 25.282 para 25.524, mais 242, o que representa um aumento de 1%.

O número de casos recuperados subiu de 1.689 para 1.712, mais 23 do que ontem.

Há 813 doentes internados, 143 encontram-se em Unidades de Cuidados Intensivos.

Quase 250 mil mortos e mais de 3,5 milhões de infetados no mundo

A pandemia de covid-19 já matou 247.503 pessoas e infetou mais de.521.600 em 195 países desde que surgiu em dezembro na cidade chinesa de Wuhan, segundo um balanço da AFP às 11:00.

Pelo menos 1.073.568 pessoas foram consideradas curadas.

Os Estados Unidos, que registaram o primeiro morto ligado ao novo coronavírus no final de fevereiro, lideram em número de mortos e casos, com 67.682 e 1.158.041, respetivamente. Pelo menos 180.152 pessoas foram declaradas curadas.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são Itália com 28.884 mortes por 210.717 casos, o Reino Unido com 28.446 mortes (186.599 casos), Espanha com 25.428 mortes (218.011 casos) e França com 24.895 mortes (168.693 casos).

A China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau), onde a epidemia começou no final de dezembro, contabilizou 82.880 casos (três novos entre domingo e hoje), incluindo 4.633 mortes (nenhuma nova) e 77.766 curados.

Até às 11:00 de hoje, a Europa totalizou 143.981 mortes para 1.562.776 casos, Estados Unidos e Canadá 71.456 mortes (1.217.515 casos), América Latina e Caraíbas 13.877 mortes (257.988 casos), Ásia 9.235 mortes (244.381 casos), Médio Oriente 7.025 mortes (186.403 casos), África 1.806 mortes (44.391 casos) e Oceânia 123 mortes (8.153 casos).

  • 14:18
  • 2:34