Coronavírus

Meia Maratona e Maratona de Lisboa adiadas para 2021

Albert Gea

Para quem já estava inscrito nas provas deste ano está automaticamente inscrito para 2021.

Especial Coronavírus

A Meia Maratona e a Maratona de Lisboa foram adiadas para 2021, confirmou hoje à Lusa Carlos Móia, presidente do Maratona Clube de Portugal, considerando a decisão "pragmática" e de "grande responsabilidade social".

"O Maratona foi sobretudo pragmático ao tomar esta decisão. Temos uma grande responsabilidade social, quer com as pessoas que trabalham no Maratona quer com as pessoas que vão correr a prova, e por isso entendemos que enquanto não houver uma terapêutica ou a vacina que tanto ambicionamos, juntar, 100, 200, 1000, 10 mil ou 30 mil pessoas não é seguro", explicou Carlos Móia, em entrevista à agência Lusa.

O organizador das provas assumiu o enorme prejuízo, que revela que para a cidade de Lisboa pode ascender aos 25 milhões de euros, mas destaca que todos os parceiros concordaram e elogiaram este desfecho, que considera ser uma "atitude de grande responsabilidade social".

A Meia Maratona de Lisboa, que parte da Ponte 25 de Abril, depois de ter sido já reagendada, estava marcada para 05 de setembro e a Maratona de Lisboa, cuja meia maratona simultânea começa na Ponte Vasco da Gama, para 15 de outubro.

As novas datas são 09 de maio de 2021 para os 21,0975 quilómetros na capital lisboeta, enquanto a Maratona está marcada para 17 de outubro. Pelo meio, em 06 de junho, terá lugar a Corrida da Mulher.

Para quem já estava inscrito nas provas deste ano, o presidente do Maratona Clube de Portugal explicou que está automaticamente inscrito para 2021, mas têm ainda outras possibilidades.

"As provas estavam completamente esgotadas e as pessoas estão inscritas automaticamente para 2021. Mas, ainda assim, oferecemos a possibilidade de acederem a um ‘voucher' virtual que dá a possibilidade de correr em 2021 ou em 2022, assim como poder ceder o dorsal a outra pessoa sem qualquer custo", garantiu.

Quanto ao regresso à estrada para os milhares de corredores, Carlos Móia admitiu que "as pessoas estão ansiosas" por esse momento, mas que precisam de o fazer "sem medo" e que esta atesta este sentimento.

Com a declaração de pandemia, em 11 de março, inicialmente alguns eventos desportivos foram disputados sem público, mas, depois, começaram a ser cancelados, adiados - nomeadamente os Jogos Olímpicos Tóquio2020, o Euro2020 e a Copa América - ou suspensos, nos casos dos campeonatos nacionais e provas internacionais de todas as modalidades.

Os campeonatos de futebol de França e Países Baixos foram,entretanto, cancelados, enquanto países como Alemanha, Inglaterra, Itália, Espanha e Portugal preparam o regresso à competição.

Portugal regista nove mortes e 553 novas infeções em 24 horas

Portugal regista esta quinta-feira 1.114 mortes relacionadas com a covid-19, mais nove do que na quinta-feira ( 1.105) e 27.268 infetados (mais 553), segundo o boletim epidemiológico divulgado hoje pela Direção Geral da Saúde.

Relativamente ao número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus (27268), os dados da Direção Geral da Saúde (DGS) revelam que há mais 533 casos do que na quinta-feira (26.715).

O número de casos recuperados subiu de 2.258 para 2.422, mais 164 do que ontem.

Há 842 doentes internados, 127 encontram-se em Unidades de Cuidados Intensivos.

Quase 270 mil mortos e mais de 3,8 milhões de infetados em todo mundo

A pandemia do novo coronavírus já matou pelo menos 269.514 pessoas e infetou mais de 3.856.400 em 195 países e territórios desde o início da epidemia, em dezembro de 2019 na cidade chinesa de Wuhan, segundo um balanço da agência AFP, às 11:00 hoje, baseado em dados oficiais.

Os Estados Unidos, que registaram a primeira morte ligada à covid-19 no início de fevereiro, são o país mais afetado em termos de número de mortes e casos, com 75.670 óbitos em 1.256.972 casos. Pelo menos 195.036 pessoas foram declaradas curadas.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Reino Unido, com 30.615 mortes em 206.715 casos, Itália com 29.958 mortes (215.858 casos), Espanha com 26.299 mortes (222.857 casos) e França com 25.987 mortos (174.791 casos).

A China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau), onde a epidemia começou no final de dezembro, contabilizou 82.886 casos (um novo entre quinta-feira e hoje), incluindo 4.633 mortes (nenhuma nova) e 77.993 curados.

A Europa totalizou 152.233 mortes em 1.670.289 casos, Estados Unidos e Canadá 80.154 mortes (1.321.788 casos), América Latina e Caraíbas 17.484 mortes (322.297 casos), Ásia 10.044 mortes (271.813 casos), Médio Oriente 7.396 mortes (207.893 casos), África 2.078 mortes (54.077 casos) e Oceânia 125 mortes (8.245 casos).