Coronavírus

Final da Taça da Alemanha vai disputar-se a 4 de julho

Antonio Bronic

Prova tinha sido suspensa devido à pandemia do novo coronavírus.

Especial Coronavírus

A final da Taça da Alemanha vai disputar-se a 4 de julho, enquanto as meias-finais terão lugar em junho, anunciou esta segunda-feira a Federação Alemã de Futebol (DFB), que tinha suspendido a prova, devido à pandemia de covid-19.

A decisão da prova estava inicialmente agendada para 23 de maio, no Estádio Olímpico de Berlim, mas, tal como a maioria das competições, acabou por ser adiada, devido à crise mundial de saúde pública.

Já as meias-finais, que deveriam ter sido realizadas em 21 de abril, estão confirmadas para 09 e 10 de junho, sendo que o detentor do troféu, Bayern de Munique, recebe o Eintracht Frankfurt, dos internacionais portugueses André Silva e Gonçalo Paciência, ao passo que o surpreendente Saarbrücken, das divisões regionais, vai defrontar o Bayer Leverkusen.

A partir deste sábado, a Bundesliga será retomada, com jogos à porta fechada, depois de o governo germânico ter concedido autorização para o regresso da competição, exatamente dois meses depois de ter sido suspensa devido à pandemia de covid-19.

Em 16 de março, dias depois de a 26.ª jornada ser adiada, o principal campeonato alemão de futebol foi suspenso, então até 02 de abril, e depois por tempo indeterminado.

Após a ronda 25, concluída em 11 de março, o Bayern Munique, que procura o 30.º título e oitavo consecutivo, é o líder da prova, com 55 pontos, contra 51 do Borussia Dortmund, 50 do Leipzig, 49 do Borussia Mönchengladbach e 47 do Bayer Leverkusen, quando faltam disputar nove jornadas.

Portugal, tal como a Alemanha, vai retomar o campeonato este mês, enquanto Inglaterra, Espanha e Itália ainda ensaiam o regresso das competições, sem data marcada. Países Baixos e França já cancelaram os respetivos campeonatos de futebol, devido à pandemia de covid-19.

  • Medo, solidão e falta de afetos: como a pandemia lhes mudou a vida

    Coronavírus

    No Dia Internacional do Idoso, contamos a história de duas pessoas que têm em comum a solidão. A de Zulmira Marques, de 92 anos. Há 6 meses era alegre e passeava com as amigas quase todos os dias. Depois veio a pandemia e ficou “completamente sozinha” durante três meses. Agora não quer sair de casa. Tem vários medos. A outra é a de Maria do Céu. Morreu em junho, aos 87 anos. Os últimos dias de vida foram passados numa cama de hospital. Não pôde despedir-se das duas filhas.

    Rita Rogado