Coronavírus

Pandemia pode revitalizar Daesh

Ahmed Jadallah/ Reuters

Alertou uma agência da União Europeia.

Especial Coronavírus

A pandemia da Covid-19 pode revitalizar o grupo extremista Daesh no Médio Oriente, com os jihadistas a beneficiarem de um confinamento ao qual já estão adaptados, alerta o Gabinete Europeu de Apoio em matéria de Asilo (EASO).

Num relatório hoje publicado, sobre tendências de pedidos de asilo, a agência estima que estes podem vir a aumentar no médio prazo, caso a pandemia se agrave nos países mais desfavorecidos e haja, em paralelo, um aumento da insegurança, o que admite ser um quadro plausível.

"A suspensão das operações da coligação global [sobretudo no Iraque] deixou um vazio de poder que o Estado Islâmico está a tentar explorar. Sendo autónomo e vivendo em esconderijos remotos, o Daesh já está socialmente isolado e bem preparado para confinamentos", aponta o relatório.

De acordo com o EASO, os jihadistas poderão tirar partido de as forças militares locais estarem "mal equipadas e 'distraídas' com a assistência em catástrofes e aplicação do recolher obrigatório" no quadro da pandemia da covid-19 para se reagruparem e voltarem a ser mais ativas em grande parte da região, isto apesar de terem recentemente perdido o seu líder, Abu Bakr al-Baghdadi, morto num ataque norte-americano.

"Tal cenário, combinado com um potencial para escassez de alimentos e destabilização a nível de segurança, caso a covid-19 se propague em países com baixos rendimentos, pode levar a um aumento na migração relacionada com asilo no médio prazo", adverte então o EASO, que 'convida' os Estados-membros da União Europeia (UE) a preparem-se para tal cenário.

De acordo com dados divulgados pela agência em 30 de abril passado, os pedidos de asilo na UE caíram para praticamente metade em março, mês em que a maioria dos Estados-membros encerraram as fronteiras para combater a pandemia da covid-19, revelou hoje o Gabinete Europeu de Apoio ao Asilo (EASO).

Em março, foram introduzidos 34.737 pedidos de asilo na UE, o que representa uma quebra de 43% face ao mês anterior, notando a EASO que, imediatamente antes de a pandemia atingir a Europa, os números de requerimentos haviam sido muito elevados, designadamente 65.300 em janeiro e 61.100 em fevereiro, um aumento de 16% face ao período homólogo.

A EASO atribui esta queda nos pedidos de asilo que deram entrada na UE ao facto de o surto do novo coronavírus ter afetado, em diferentes graus, o funcionamento das autoridades responsáveis pelo asilo, tanto no que diz respeito às atividades dos próprios sistemas de asilo, como devido a restrições nas fronteiras.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 283 mil mortos e infetou mais de 4,1 milhões de pessoas em 195 países e territórios, sendo para já os países desenvolvidos os mais afetados.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (80.087) e mais casos de infeção confirmados (mais de 1,3 milhões). Seguem-se o Reino Unido (32.065 mortos, mais de 222 mil casos), Itália (30.739 mortos, mais de 219 mil casos), Espanha (26.744 mortos, mais de 227 mil casos) e França (26.643 mortos, mais de 177 mil casos).

Por regiões, a Europa soma mais de 157.200 mortos (mais de 1,7 milhões de casos), Estados Unidos e Canadá mais de 84.900 mortos (mais de 1,4 milhões de casos), América Latina e Caribe mais de 20.900 mortos (mais de 375 mil casos), Ásia mais de 10.700 mortos (mais de 301 mil casos), Médio Oriente mais de 7.600 mortos (mais de 232 mil casos), África quase 2.300 mortos (mais de 63 mil casos) e Oceânia com 125 mortos (mais de 8.200 casos).