Coronavírus

Portugal regista mais 19 mortes por Covid-19

JOSE COELHO

Os últimos dados divulgados pela DGS.

Especial Coronavírus

Portugal regista esta terça-feira 1.163 mortes relacionadas com a Covid-19, mais 19 do que na segunda feira, e 27.913 infetados (mais 234), segundo o boletim epidemiológico divulgado hoje pela Direção Geral da Saúde (DGS).

Em comparação com os dados de segunda-feira, em que se registavam 1.144 mortos, hoje constatou-se um aumento de óbitos de 1,7%.

Relativamente ao número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus, 1.163, os dados da DGS revelam que há mais 234 casos do que na segunda-feira (27.679 ), representando uma subida de 0,8%.

Foi registado um ligeiro aumento do número de casos e vítimas mortais relativamente ao dia anterior. Foram ainda dados como recuperados 3.013 pacientes, um aumento de 464 face a segunda-feira.

A região Norte é a que regista o maior número de mortos (660), seguida da região de Lisboa e Vale do Tejo (254), do Centro (219), do Algarve (14), dos Açores (15) e do Alentejo, que regista um caso, adianta o relatório da situação epidemiológica, com dados atualizados até às 24:00 de segunda-feira, mantendo-se a Região Autónoma da Madeira sem registo de óbitos.

Lares voltam a ter visitas a partir de segunda-feira

Cada instituição terá de seguir as orientações dadas pela Direção-Geral da Saúde, mas a avaliação será feita tendo em conta a situação epidemiológica da zona onde cada lar está inserido.

Cada utente poderá receber uma visita por semana, mas a mesma terá de ser previamente agendada, não podendo durar mais de hora e meia, de forma a que cada lar possa disponibilizar o acesso, nas melhores condições, ao espaço, preferencialmente externo, que ficará destinado às visitas.

BE quer integração efetiva dos profissionais de saúde contratados durante pandemia

O Bloco de Esquerda (BE) apresenta esta terça-feira várias propostas para reforçar o investimento no Serviço Nacional de Saúde (SNS), incluindo a integração definitiva dos cerca de 2.300 profissionais de saúde que "foram contratados provisoriamente" para combater a pandemia.

De acordo com um manifesto pela Saúde, a que a agência Lusa teve acesso, o BE considera que o SNS é o "único garante do direito" à prestação de cuidados de saúde e que, "se dúvidas houvesse, a presente pandemia encarregou-se de as dissipar".

FLAVIO LO SCALZO

Por isso, o partido vai hoje apresentar um pacote de medidas para aumentar o investimento no SNS, entre as quais o reforço em Orçamento Suplementar, este ano, da despesa com o SNS através da "contratação definitiva dos cerca de 2.300 profissionais de saúde contratados temporariamente" e ainda a contração dos 8.400 profissionais de saúde que "ficaram prometidos aquando da apresentação" do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020).

Os bloquistas também propõem a "ampliação dos horários de funcionamento dos serviços, para melhor aproveitamento das infraestruturas e equipamentos", e a definição de uma rede específica para doentes infetados pelo novo coronavírus, com "circuitos separados para doentes suspeitos e não suspeitos nas consultas, blocos operatórios e exames complementares".

Covid-19: Infarmed alerta para testes rápidos falsificados no mercado europeu

O Infarmed alertou hoje para a existência de testes rápidos de Covid-19 falsificados no mercado europeu e avisou que apenas podem ser disponibilizados por fabricantes e distribuidores autorizados e não devem ser comprados na internet.

Piroschka Van De Wouw

Numa nota publicada no seu site, a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde diz que, até à data, não foram detetados testes falsificados em Portugal e recorda que têm sido encontrados no mercado europeu testes do género que, apesar de terem a indicação CE como símbolo de segurança, apresentam "documentação falsa, documentação incompleta ou alegações não fundamentadas".

Têm igualmente sido detetados no mercado europeu alguns dispositivos médicos deste género que "indicam uma utilização não profissional, nomeadamente, que se destinam a autodiagnóstico sem cumprirem a legislação aplicável a essa finalidade", acrescenta.

ESPECIAL CORONAVÍRUS