Coronavírus

Covid-19: França regista 13 mortes, número mais baixo desde início do confinamento

JULIEN DE ROSA

Presidente do Conselho Científico francês diz que a epidemia está controlada.

Especial Coronavírus

O número oficial de mortos em França por covid-19 caiu etse domingo para 13, o menor registo diário desde o início do confinamento, em meados de março, confirmando ainda a tendência das últimas semanas de redução de doentes hospitalizados.

Até ao hoje morreram em França 29.155 pessoas, sendo que as 13 vítimas mortais hoje anunciadas representam uma queda significativa em comparação com os dias anteriores: sábado (31), sexta-feira (46), quinta-feira (44), quarta-feira (83) e terça-feira (107), segundo um comunicado do executivo francês.

Apesar deste registo positivo, as autoridades francesas não incluem todos os dias as mortes que ocorrem nos lares. A última vez que o fizeram foi na terça-feira.

Em relação a pacientes hospitalizados, também foi verificada uma descida. São agora 12.461, menos 18 do que no sábado.

No auge da pandemia, no início de abril, França contabilizava quase 32 mil pacientes internados nos cuidados intensivos e hoje estão 'apenas' 1.053, menos seis do que nas últimas 24 horas.

"Pandemia controlada"

Segundo Jean-François Delfraissy, presidente do Conselho Científico francês, a epidemia está controlada, pelo menos nas próximas semanas, embora o que possa acontecer depois do verão permaneça uma incógnita.

Em entrevista ao 'Journal du Dimanche', Delfraissy afirmou que a experiência das grandes pandemias por vírus respiratórios mostra que oito em cada dez regrediram durante o verão, mas metade reapareceu no outono.

O académico ressalva que o vírus continua em circulação, com uma menor velocidade do que quando o confinamento foi decretado em França, em 16 de março.

"Não era uma boa decisão, mas era a menos má", sustentou, tendo em conta a capacidade limitada que o país tinha para a realização de testes.

De acordo com os número mais recentes, atualmente existem entre mil a duas mil infeções diárias em França, país com mais de 60 milhões de habitantes, motivo pelo qual Delfraissy mostra-se a favor da flexibilização dos protocolos sanitários impostos às escolas até ao final do mês, em particular no acesso às refeições, recreios e atividades desportivas.

Por de trás desta ideia está o facto de se saber agora que as crianças têm menos propensão em contrair o vírus e contribuir para a sua disseminação que um adulto, ao contrário do que era pensado.

O presidente do Conselho Científico francês salientou que um novo confinamento geral da população deverá ser evitado a todo custo, entre outras coisas, porque seria muito menos acatado.

No caso de uma nova onda pandémica, Jean-François Delfraissy acredita que se deveria deixar circular o vírus entre a população jovem e "tentar proteger, com o respetivo consentimento, as pessoas mais frágeis, doentes ou idosas".