Coronavírus

Costureiras das marchas populares de Lisboa fazem máscaras para bombeiros e hospitais

Este ano as marchas não saem à rua e muitos ateliers de costura tiveram de se reinventar devido à covid-19.

Especial Coronavírus

O Atelier-Prata costumava por estes dias estar a costurar os fatos das marchas de quatro bairros lisboetas. Este ano, está a dedicar-se a fazer material de proteção e máscaras para os bombeiros e profissionais de saúde do Hospital Dona Estefânia e Maternidade Alfredo da Costa.

Continuando a dar uso à tesoura, linha e agulha, ferramentas de trabalho que tem também tatuadas no antebraço esquerdo, apoiado na mesa ampla e repleta de tecidos de várias cores e padrões, a costureira Carla Pereira conta o que mudou com a pandemia e com o cancelamento das marchas populares de Lisboa.

Após 15 dias de confinamento, o Atelier-Prata voltou a ser local de trabalho, mas em prol de um projeto de solidariedade para "ajudar os hospitais e os bombeiros".

VEJA MAIS NO ESPECIAL NOVO CORONAVÍRUS