Coronavírus

Maior parte de Espanha entra na última fase do desconfinamento na 2.ª feira

MORELL / EPA

Madrid e Barcelona ficam mais uma semana na fase anterior.

Especial Coronavírus

A maior parte do território espanhol vai estar a partir de segunda-feira na última fase (três) do plano de desconfinamento, mas as regiões mais atingidas pela covid-19, Madrid e Barcelona, ficam mais uma semana na fase anterior.

De acordo com a atualização do plano apresentado hoje em Madrid pelo executivo espanhol, acompanham Madrid e Barcelona na 'fase dois' a província de Lérida (comunidade da Catalunha) e as de Sória, Ávila, Salamanca e Segóvia (Castela e Leão).

Na fronteira norte de Portugal, Galiza é a única região espanhola que sai da fase três, em que já se encontra, e passa para aquilo que se chama "a nova normalidade", ultrapassando todos os outros territórios espanhóis.

As restantes regiões espanholas que fazem fronteira com Portugal passam para a última fase de alívio das medidas ('fase três') contra a pandemia, menos a província de Salamanca que fica mais uma semana na 'fase dois'.

O estado emergência em vigor desde 15 de março vai terminar à meia-noite de sábado 20 de junho próximo, daqui a uma semana, altura em que também terminam os impedimentos à circulação de pessoas dentro do território espanhol.

A partir desta segunda-feira, 15 de junho, 34 milhões de espanhóis, 75% da população, estarão na 'fase três' do desconfinamento, com as comunidades autónomas a recuperar plenos poderes sobre o seu território.

A 'fase dois' em que Madrid e Barcelona já se encontram desde segunda-feira passada implicou a possibilidade de realização de reuniões de até 15 pessoas e o fim das faixas horárias para se fazerem caminhadas ou exercícios físicos no exterior.

Durante este período também passou a ser possível ir à praia, foram abertos piscinas e ginásios com um limite de um terço da capacidade e foram retomadas as visitas aos centros para deficientes e residências para idosos.

Os centros comerciais também abriram, com a sua capacidade limitada, e os bares e restaurantes passaram a servir no seu interior, com um limite de capacidade de 40%.

Espanha regista, desde o início da pandemia, 27.136 mortes entre os quase 242 mil casos de contágio.

Mais de 421 mil mortos e cerca de 7,5 milhões infetados em todo mundo

A pandemia do novo coronavírus já causou a morte a pelo menos 421.691 pessoas e infetou mais de 7,5 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP baseado em dados oficiais.

De acordo com os dados recolhidos pela agência de notícias francesa até às 12:00 de Lisboa, já morreram pelo menos 421.691 pessoas e há mais de 7.529.190 casos de infeção em 196 países e territórios desde o início da epidemia, em dezembro de 2019 na cidade chinesa de Wuhan.

Pelo menos 3.361.200 foram considerados curados pelas autoridades de saúde.

Os países mais atingidos:

  • Estados Unidos, com 113.820 mortes e 2.023.147 infeções.
  • Reino Unido, com 41.279 mortes em 291.409 casos
  • Brasil com 40.919 mortes (802.828 casos
  • Itália com 34.167 mortes (236.142 casos)
  • França com 29.346 mortes (192.364 casos).
  • China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau), com 83.064 casos (sete novos entre segunda-feira e hoje) e manteve o número de mortes (4.634). Há 78.365 pessoas que foram dadas como curadas.

Às 12:00 de Lisboa, a Europa totalizava 186.453 mortes e 2.355.474 casos, os Estados Unidos e Canadá 121.870 mortes (2.120.877 casos), América Latina e Caraíbas 74.320 mortes (1.520.169 casos), Ásia 21.805 mortes (782.699 casos), Médio Oriente 11.208 mortes (524.433 casos), África 5.904 mortes (217.590 casos) e Oceânia 131 mortes (8.671 casos).

7 mortes e 310 novos casos de Covid-19 em Portugal nas últimas 24 horas

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta quinta-feira a existência de 1.504 mortes e 35.910 casos de Covid-19 em Portugal, desde o início da pandemia.

O número de óbitos subiu, de ontem para hoje, de 1.497 para 1.504, mais 7, enquanto o número de infetados aumentou de 35.600 para 35.910, mais 310, o que representa um aumento de 0,87%

O número de casos recuperados subiu de 21.742 para 22.002, mais 260.

Há 415 doentes internados, menos dois em relação a ontem. 70 encontram-se em Unidades de Cuidados Intensivos, o mesmo número de quarta-feira.

Links úteis

Mapa com os casos a nível global