Coronavírus

"Contactos físicos e espaços fechados são comportamentos e lugares de risco", avisa ministra

ANTÓNIO COTRIM / LUSA

Marta Temido recorda que a Covid-19 só desaparecerá quando surgir uma vacina ou tratamento

Especial Coronavírus

A ministra da Saúde, Marta Temido, recordou hoje que a covid-19 só desaparecerá quando surgir uma vacina ou tratamento, sublinhando que "contactos físicos e espaços fechados e muito frequentados" são comportamentos e lugares de risco.

"Recordo que, como todos sabemos, que a covid-19 só desaparecerá das nossas vidas quando surgir uma vacina ou tratamento eficaz, logo o facto de Portugal ter tido uma situação epidemiológica melhor, mais favorável, menos dura do que outros países e de, agora, enfrentar números consistentes em algumas freguesias é um motivo para reforçar o nosso esforço articulado ao nível da saúde publica, solidariedade social, emprego, economia, habitação, transportes e trabalho com autarquias e sociedade civil", disse na conferência de imprensa de balanço da pandemia em Portugal.

A governante vincou que este trabalho é de paciência e de elevada complexidade que todos vão ter de continuar a fazer. Dizendo que as pessoas não podem parar as suas vidas, a detentora da pasta da Saúde vincou, contudo, que lidar com uma doença infecciosa e de elevada contagiosidade, tal como é a covid-19, implica cuidados que, de maneira nenhuma, podem ser descurados. Por esse motivo, a ministra chamou à atenção para o facto de contactos físicos e espaços fechados e muito frequentados serem comportamentos e lugares de risco, logo as medidas básicas devem ser cumpridas

Lisboa e Vale do Tejo com 75,2% dos novos casos de Covid-19

Lisboa e Vale do Tejo (LVT) registou hoje 75,2% dos novos casos de covid-19, com 339 das 451 novas infeções, com os concelhos de Lisboa, Sintra e Amadora a concentrarem o maior aumento na região relativamente a quinta-feira.

Mais 6 mortes e 451 novos casos de Covid-19 em Portugal

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta sexta-feira a existência de 1.555 mortes e 40.866 casos de Covid-19 em Portugal, desde o início da pandemia.

O número de óbitos subiu, de ontem para hoje, de 1.549 para 1.555, mais seis em relação a ontem, enquanto o número de infetados aumentou de 40.415 para 40.866, mais 451, o que corresponde a um aumento de 1,1%.

Há 457 doentes internados, mais 21 em relação a ontem. 67 encontram-se em Unidades de Cuidados Intensivos, o mesmo número face a quinta-feira.

O número de casos recuperados subiu de 26.382 para 26.633, mais 251.

Portugal a três velocidades

Mais de 487 mil mortos e mais de 9,6 milhões de infetados em todo mundo

A pandemia do novo coronavírus já causou a morte a pelo menos 487.274 pessoas e infetou mais de 9.604.040 em 196 países e territórios desde o início da epidemia, em dezembro de 2019 na cidade chinesa de Wuhan., segundo um balanço da agência AFP até às 11:00 de Lisboa

Pelo menos 4.770.300 casos foram considerados curados pelas autoridades de saúde.

Os países mais atingidos:

  • Estados Unidos, com 124.415 mortes e 2.442.312 casos
  • Brasil com 54.971 mortes para 1.228.114 casos
  • Reino Unido com 43.230 mortes (307.980 casos)
  • Itália com 34.678 mortes (239.706 casos)
  • França com 29.752 mortos (197.755 casos).
  • China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau) com 83.449 casos, 4.634 mortes e 78.433 curados.

A Europa totalizou 195.028 mortes para 2.603.552 casos, Estados Unidos e Canadá 130.777 mortes (2.501.065 casos), América Latina e Caraíbas 105.753 mortes (2.296.254 casos), Ásia 31.827 mortes (1.150.766 casos), Médio Oriente 14.722 mortes (695.172 casos), África 9.034 mortes (348.202 casos) e Oceânia 133 mortes (9.038 casos).

VEJA MAIS NO ESPECIAL NOVO CORONAVÍRUS

As notícias mais recentes em https://sicnoticias.pt/ultimas