Coronavírus

Empresários de diversão itinerante em protesto durante todo o mês de julho

Empresários de diversão itinerante em protesto durante todo o mês de julho

Em causa está a falta de autorização do Governo para a retoma da atividade do setor.

Especial Coronavírus

Durante a manhã desta quinta-feira empresários de diversão itinerante estiverem em frente ao Palácio Nacional da Ajuda, onde decorreu o Conselho de Ministros.

Eram cerca de 40 empresários que, durante trinta e um dias, prometem não baixar os braços. Impedidos de trabalhar há mais de três meses, protestam contra a falta de respostas do Governo e exigem a retoma da atividade.

Segundo a Associação dos Profissionais Itinerantes Certificados (APIC), no dia 16 de junho, as Autoridades de Saúde já tinham dado luz verde para festas e feiras, mas o Governo ainda não se pronunciou e por isso, os feirantes acusam o Executivo de discriminação.

Trinta e um dias de protesto

Durante todos os dias de julho, estarão grupos de manifestantes na rua da Horta Seca (onde se situa o Ministério da Economia), rua da Emenda, rua de Chagas e rua do Loreto.

De noite, farão vigília junto ao Ministério da Economia.Estando também agendadas manifestações junto ao Conselho de Ministros nos dias 2, 9, 16, 23 e 30.

O presidente da APIC acrescentou que estão ainda programadas concentrações junto ao Palácio de Belém e às residências civis do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e do primeiro-ministro, António Costa.