Coronavírus

Empresários de diversão itinerante protestam em Lisboa todo o mês de julho

DJs Eddy e Rhythmic partilham espetáculo nas plataformas online a partir de uma discoteca fechada, em Pequim, na China

Carlos Garcia Rawlins

"Nós sentimo-nos enganados mais uma vez. Isto vai dar desgraças. Isto não vai correr bem".

Especial Coronavírus

Os empresários de diversão itinerante vão manifestar-se, em Lisboa, durante o mês de julho, contra a falta de respostas do Governo para a retoma da atividade, revelou esta quinta-feira o presidente da recém-criada Associação dos Profissionais Itinerantes Certificados.

"Perguntámos ao Governo se pretende abri-la em 01 de julho e o Governo não responde. Nós sentimo-nos enganados mais uma vez. Isto vai dar desgraças. Isto não vai correr bem", disse Luís Fernandes, em declarações à agência Lusa.

De acordo com o dirigente, até quarta-feira, a Direção-Geral da Saúde tem poder para reabrir o setor das diversões em feiras e festas, mas ainda não o fez.

"No dia 16 de junho, a senhora diretora [Graça Freitas]deu parecer positivo à abertura das atividades de diversão e restauração itinerantes. Da parte das autoridades de saúde, não havia qualquer problema para o nosso protocolo sanitário e regras", lembrou.

Na ocasião, a Associação dos Profissionais Itinerantes Certificados (APIC) disse ter recebido garantias da Direção-Geral da Saúde (DGS) de que os empresários de diversão itinerante vão poder retomar a atividade.

Considerando que se trata de discriminação, Luís Fernandes salientou que o facto de ainda não terem retomado a atividade só gera mais revolta e indignação.

"A gente já viu que o Governo não se vai pronunciar, porque nós perguntámos diretamente ao Governo - ao Ministério da Economia - se vai abrir esta atividade ou não. Não sei o que têm contra nós ou não. Isto é tudo política", observou, reiterando que vai haver "mais manifestações".

Segundo Luís Fernandes, as ações de rua vão iniciar-se às 00:00 de 01 de julho junto ao Ministério da Economia.

Durante todos os dias de julho, estarão grupos de manifestantes na rua da Horta Seca (onde se situa o Ministério da Economia), rua da Emenda, rua de Chagas e rua do Loreto.

De noite, farão vigília junto ao Ministério da Economia.Estando também agendadas manifestações junto ao Conselho de Ministros nos dias 02, 09, 16, 23 e 30.

O presidente da APIC acrescentou que estão ainda programadas concentrações junto ao Palácio de Belém e às residências civis do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e do primeiro-ministro, António Costa.

Devido ao surto de covid-19, os negócios itinerantes em eventos culturais, feiras, festas, romarias e circos, a maioria das quais canceladas, ficaram comprometidos.

Em 05 de maio, a Assembleia da República aprovou um diploma do grupo parlamentar comunista, com a abstenção do PS, PSD, CDS e IL, que cria um regime de apoio à atividade dos feirantes.

Apesar de aprovado na generalidade, o diploma ainda não é lei, dado que é necessário ser discutido e votado na especialidade na comissão, no caso a de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação.